Homens podem acompanhar parto no Dona Regina

11votos

Os benefícios da presença de um acompanhante no momento do parto, direito já garantido pela Lei nº 11.108, de abril de 2005, são incontestáveis. O cumprimento integral da Lei no HMDR – Hospital e Maternidade Dona Regina acontece desde o dia 13 de dezembro, para isso foram instaladas cortinas nos leitos PPP (Pré-parto, Parto e Puerpério), garantindo a presença do homem em todas as estações do cuidado.

 

 

O que muda é o direito da parturiente escolher livremente o acompanhante, inclusive do sexo masculino, o que antes não era possível devido os leitos não serem individualizados.  No Centro Obstétrico, UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e UCI (Unidade de Cuidados Intermediários) e Alcon (Alojamento Conjunto) do Hospital já era permitido o acesso masculino.

 

Foi assim com o pai da recém-nascida Haylla Lima Alves, Ernane Alves da Silva, 31. “Foi uma surpresa! É nosso primeiro filho. Nasceu dia 15, às 2h40 da tarde. Foi bom participar!”, disse.  A parturiente, Maria Antônia Lima, 31, elogiou o comportamento do marido durante o parto, e disse que se sentiu segura com a presença do companheiro no leito.

 

Outras mudanças significativas foram implantadas no HMDR seguindo as diretrizes do Plano de Qualificação da Atenção nas Maternidades e Rede Perinatal, com base na Política Nacional de Humanização. O plano é mais um dispositivo do Pacto pela Redução da Mortalidade Infantil nas regiões da Amazônia Legal e Nordeste.

 

O médico obstetra, João de Deus, avalia que a qualificação dos servidores é necessária para a mudança de mentalidade, não só em relação ao acompanhante, mas a todas as mudanças proporcionadas pela humanização do parto. “Garantias como estas favorecem o desenrolar do parto. O bem estar do trinômio mãe-bêbe-família é humanização”, finalizou.