Seminário debaterá humanização do SUS/BH

11 votos

De 3 a 5 de setembro acontece o II Seminário Municipal  da Política de Humanização de Belo Horizonte. O evento irá reunir cerca de 800 trabalhadores, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde para discutir as mudanças produzidas e as perspectivas de futuro, com a implantação da Política Nacional de Humanização (PNH) do SUS, do Ministério da Saúde.

As atividades envolverão três eixos prioritários de discussão: humanização do acesso aos serviços de saúde, gestão participativa, e valorização do trabalho e dos trabalhadores da saúde. Os temas serão debatidos em conferência, mesas e oficinas. Cerca de 80 trabalhos desenvolvidos na rede pública também serão apresentados no seminário, que traz até BH especialistas no assunto, como o sociólogo e psicólogo da Universidade da PAZ, Roberto Crema, o coordenador Nacional da PNH, Dário Pasche e o professor do Departamento de Medicina Preventiva da USP, Ricardo Teixeira.
 
Em comemoração aos cinco anos da Política Nacional de Humanização (PNH) e os 20 anos do SUS, o evento receberá a Mostra Interativa HumanizaSUS: O SUS que dá certo, promovida pelo Ministério da Saúde.
Mais informações sobre o seminário podem ser obtidas no site: http://www.pbh.gov.br/smsa/seminario_humanizacao
 
PNH em BH

A gerente de Projetos Especiais, Roseli da Costa Oliveira, explica que o conceito de humanização envolve o reconhecimento de usuários, trabalhadores e gestores como sujeitos da história na construção do Sistema Único de Saúde. "Nosso trabalho é voltado tanto para os usuários, para que possamos prestar um atendimento de boa qualidade respeitando a autonomia e contribuindo para o protagonismo dos sujeitos na relação com a sua saúde, mas também para o servidor, na valorização do esforço desenvolvido diante da diversidade de problemas enfrentados no cotidiano dos serviços, tecendo assim uma rede de saúde cada vez mais potente na produção de um cuidado qualificado e da satisfação no trabalho.” Afirma. 

Mulheres artesãs

Há aproximadamente um ano, um grupo de mulheres se reúne todas as quartas-feiras no Centro de Saúde Boa Vista, Região Leste, para fazer fuxico, croché e pintura. A iniciativa surgiu da Equipe de Saúde da Família da unidade, que constatou a necessidade de melhorar a qualidade de vida das usuárias hipertensas e diabéticas, por meio de trabalhos manuais. Segundo a enfermeira da equipe Valcely Mendes Soares, além de ajudar a controlar algumas doenças, a atividade também é um momento de entretenimento e convivência entre as mulheres. Exemplo disto é a dona de casa Vera Lúcia Gualberto. "Eu tinha depressão e cheguei ao grupo tomando muito remédio. Agora sou mais feliz, não sabia nem pegar na agulha e hoje o que mais gosto de fazer é croché", resume.