Médicos humanizam cesarianas para torná-las menos traumáticas

11 votos

Partindo-se da premissa que o parto cesariana seja uma indicação de saúde e não uma escolha motivada por questões frívolas e/ou econômicas, ainda assim, enquanto um procedimento técnico, existe muito espaço para ser ocupado por uma perspectiva que invista na humanziação do parto, mesmo que ele seja uma cesariana. Vejam, por eexemplo, a notícia abaixo publicado na Folha de São Paulo em 24/01/2008.

Médicos humanizam cesarianas para torná-las menos traumáticas

FLÁVIA MANTOVANI
da Folha de S.Paulo

A notícia de que sua primeira filha, Alyssa, teria de nascer por cesariana deixou a professora Kety Chen, 37, frustrada. Adepta do parto normal, ela havia escolhido um obstetra conhecido por fazer partos humanizados –o mesmo que acompanhara sua irmã em um parto domiciliar. "Tentei o parto natural até o último momento. Quando vi que não ia dar, fiquei triste", conta ela, que tinha placenta prévia (recobrindo o colo do útero) e um mioma na região.

Na sala de operações, no entanto, tudo foi feito para dar ao momento um caráter sublime, mais condizente com um nascimento do que com a frieza que normalmente impera em cirurgias. A luz foi apagada, ficando apenas um foco no abdômen –e evitando que fosse direto nos olhos do bebê. Entre os membros da equipe, não havia outras conversas –a única voz era a do obstetra narrando o que acontecia para a mãe.

O bebê foi retirado calmamente e de modo a simular as condições de um parto normal, com seu pulmão sendo comprimido de forma semelhante à que ocorre no canal vaginal –o que ajuda a eliminar o líquido amniótico.

Logo que Alyssa nasceu, o pano suspenso sobre um arco (campo cirúrgico), que separa a cabeça da paciente do resto do corpo, foi parcialmente rebaixado e a menina, com o cordão umbilical ainda pulsando, foi colocada em contato com a mãe. "Desabei a chorar", conta Kety.

Em seguida, em vez de ir direto para o berçário, a recém-nascida recebeu do pai o primeiro banho, em um mini-ofurô. Meia hora após sair da barriga, já estava mamando. "Foi tão tranqüilo… Há partos em que a criança nasce e fica berrando. Ela ficou em silêncio. Até hoje, com dois meses, é muito tranqüila", diz a mãe. O médico de Kety, o obstetra Jorge Kuhn, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz que pequenos gestos, como enxugar a criança com suavidade e retirá-la aos poucos do útero podem tornar o parto menos traumático. "Na cesariana, o bebê passa do ambiente intra-uterino para o externo de forma muito brusca. Prefiro fazer o procedimento mais lentamente. Não é igual a um parto normal, que é o ideal, mas é possível simular as condições."

"Cesariana natural"

Na Inglaterra, o obstetra Nicholas Fisk ganhou recentemente os holofotes ao criar um procedimento batizado por ele de "cesariana natural". No método, o campo cirúrgico é rebaixado e a cabeceira da cama é levantada, para que a mãe veja o bebê saindo do útero.

Após a retirada da cabeça, o médico deixa a criança mais um tempo no ventre, para que seu peito seja apertado pelo útero e libere o líquido que entrou nos pulmões –é o que ele chama de reanimação fisiológica.

Ao nascer, o bebê vai para o peito da mãe. "Na cesárea convencional, ele vai imediatamente para o berço de reanimação para o pediatra dar a ele oxigênio, pesá-lo, colocar a identificação, fazer testes… Não há necessidade de fazer isso nessa hora", disse à Folha o médico, hoje diretor do Centro de Pesquisa Clínica da Universidade de Queensland, na Austrália. Ele ressalta que o método só pode ser usado em cesarianas de rotina, quando não há risco para a mãe e o bebê está bem.

Para Fisk, o conceito da "cesariana natural" deve ser dissociado do julgamento sobre se a cesárea é boa ou ruim. "É uma resposta ao fato de o índice de cesáreas estar muito alto. Do jeito como são feitas, é como se as mães estivessem tirando o apêndice, e não tendo um filho. Esforçamo-nos tanto para fazer as mulheres aproveitarem o parto vaginal, por que não fazemos com que elas aproveitem também as cesarianas?", questiona.

No Brasil, o obstetra Cláudio Basbaum, do Hospital São Luiz, em São Paulo, adota várias dessas práticas há mais de 30 anos. Pioneiro no país no parto Leboyer –criado pelo obstetra francês Frédérik Leboyer, partidário da filosofia do nascimento sem violência–, Basbaum diz que adaptou à cesariana os princípios aplicados pelo médico no parto normal. "Quis contemplar as mães e as crianças que estavam sendo alijadas de seus direitos de parir e de nascer de forma natural", diz.

Ele conta que retira a criança de forma progressiva e pausada: primeiro a cabeça, depois os ombros, em seguida o tronco, os quadris e as pernas. "No parto vaginal, as contrações fazem a expulsão fetal de forma paulatina. Na cesárea, é importante evitar a sensação de separação brusca, quando se faz uma tração da criança como um objeto, criando nela uma angústia pela perda brusca de limites." Segundo ele, assim os bebês choram menos, têm menos contraturas e ficam mais calmos. "Muitos dormem ao chegar nas minhas mãos."

Ele só discorda de que as mães queiram ver o bebê saindo do ventre. "Acho que é um ato cirúrgico impactante, que pode até quebrar a emoção." Para o obstetra Eduardo Cordioli, coordenador da maternidade do hospital Albert Einstein, em São Paulo, o principal problema está em rebaixar o campo cirúrgico. "Ele está lá para evitar infecções. A gente cobre a mãe para evitar, por exemplo, que ela tussa na cirurgia e contamine o corte."

Já o obstetra Carlos Roberto Borsatto, gestor do setor materno-infantil do Hospital Santa Catarina, em São Paulo, deixa a cobertura rebaixada. "Caso contrário, a paciente fica desconfortável, olha para o teto. É desigual: o pai circula e vê tudo e a mãe não vê nada."

Ele afirma que não há perigo de contaminação. "Há anos, quando o vilão do ato cirúrgico era a infecção, fazia sentido. Hoje todo hospital tem controle de infecção. O campo funciona mais como uma barreira mecânica, para a mãe não pôr a mão. Mas, como ela fica lúcida, é só conversar com ela. É desnecessário", afirma.

O obstetra Jorge Kuhn aplica o mesmo raciocínio a outro hábito que ele acha desnecessário: o de conter as mãos da mulher para ela não levar o braço ao local da cirurgia. "Busco deixar os braços livres. Como a mulher está consciente, basta explicar."

Paciente de Carlos Borsatto, a professora Cláudia Gabionetta, 39, gostou de ver a retirada do filho, Henrique, hoje com seis anos. "Ver o nenê saindo de dentro de você é uma emoção indescritível. A gente chora, ri, tudo ao mesmo tempo", conta. Grávida novamente de nove meses, ela quer tentar ter parto normal, mas, se não conseguir, vai repetir a experiência da cesariana humanizada. "Não puxam o bebê com rapidez, não cortam o cordão abruptamente, trazem o bebê rapidinho para mim… Não traumatiza."

Para o obstetra Thomas Gollop, também do Albert Einstein, a proposta de rebaixar o campo cirúrgico é interessante, mas não deveria virar um modismo. "Isso exige muito treino da equipe e cuidado da mãe para não colocar a mão por reflexo e contaminar a cirurgia. Uma solução intermediária seria usar uma câmera para a mãe acompanhar ao vivo", propõe.

Ana Cristina Duarte, doula (acompanhante de parto) do Gama (Grupo de Apoio à Maternidade Ativa), recorre à ajuda de um espelho. "Algumas mulheres não querem, mas, para a maioria, é interessante ver a cabecinha saindo. É a oportunidade de testemunhar o nascimento", diz ela, que não considera o termo cesariana "natural" adequado. "Poderia chamar de suave, doce… Mas é uma cirurgia. Natural não é."

toda a notícia pode ser lida em







http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u366627.shtml