AMBIENTES DIGITAIS VIRTUAIS E SAÚDE: ALTERNATIVA PARA UMA MELHOR “QUALIDADE DE VIDA” DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS

5 votos

Este é o título da tese de doutorado de Marlene Soares, professora da Faculdade de Educação da UnB.
No
dia 07/03, o coletivo do CO se reuniu em Brasília. Neste dia tivemos a oportunidade de conhecer e analisar o trabalho de Marlene segundo a ótica dos princípios e diretrizes da PNH: transversalidade, acolhimento em saúde, clínica ampliada e ambiência.
Os ambientes digitais virtuais podem ser  meios poderosos para potencializar a qualidade de vida – aspectos sócio-afetivos – dos usuários da saúde e problematizar o modo como o trabalho pode produzir saúde no cotidiano dos hospitais de oncologia infantil. A rede de conversas virtuais possibilitou a constituição de pequenas comunidades de aprendizagem na ambiência hospitalar durante o tratamento de doenças crônicas. E muito mais. O hospital, deixa de ser apenas um ambiente físico, e passa a ser um espaço de experimentação de criação de vínculos com a vida, ciberespaço.

Marlene e sua equipe de pesquisa – pedagogas – contribuíram para que crianças – mesmo aquelas que já se encontravam no fim de suas vidas – pudessem ter a oportunidade de produzirem saúde, saindo de sua condição de assujeitados por uma doença grave, e tornando-se sujeitos por meio da interação com outras crianças e atores do mundo externo ao hospital.
Utilizando as tecnologias da informação e comunicação (TICs)  com as crianças hospitalizadas é possível impedir ou minimizar a criação do hiato no seu desenvolvimento devido à exclusão compulsória do ambiente escolarizado. Além disso, permite a inclusão destas crianças num novo cenário – o mundo virtual – onde as aprendizag
ens e novos encontros, com familiares, amigos (velhos e novos) ocorrem de maneira lúdica, descontraída e sem preconceitos.

Contato com Marlene:

mar.soares@terra.com.br

61 – 8186 7331