1ª Participação do APD na Semana Nacional de Humanização – “Roda dos Saberes”.

18votos

 

1184754_612997382087289_64249969_n_0.jpgO APD (Programa Acompanhante Comunitário de Saúde da Pessoa com Deficiência) é um serviço de reabilitação da Secretaria Municipal de São Paulo, que compõe os NIR e CER, que tem como objetivo a articulação com os serviços de saúde e da comunidade para o atendimento e participação da pessoa com deficiência intelectual, intervenção para o aumento da autonomia e protagonismo, fortalecimento e suporte às famílias.

As 20 equipes do APD no município acompanham em torno de 1400 pacientes por mês, com média de 5 visitas/mês por paciente.

Hoje, dia 08 de Abril de 2014, o APD participou, com 32 pessoas, pela primeira vez da Semana Nacional de Humanização através do dispositivo “Roda de Saberes”, que é um espaço de Educação Permanente.

O objetivo de hoje foi, justamente, salientar a PNH como base para a “Roda de Saberes” e, por sua vez, como a Roda afeta a prática das equipes do Programa, através de uma discussão que abordou:

Uma problematização sobre a fragmentação da formação em Saúde e das políticas educacionais que não tem tido uma orientação integradora entre ensino e trabalho. Somando a isso coloca-se a complexidade do trabalho em saúde e do trabalho no APD, que mobiliza muitos afetos.

A partir disso pergunta-se:

  • Como fomentar formações cooperativas, transdisciplinares e democráticas de equipe?
  • Como facilitar processos de troca de saberes que colaborem neste sentido?
  • Um serviço que pretende gerar autonomia e protagonismo para seus usuários (pref, 2012) não deveria procurar gerar autonomia e protagonismo à seus funcionários?
  • Como construir uma proposta de educação permanente que utilize a noção de inseparabilidade dos aspectos técnicos e políticos da forma de gestão (PNH), para que o próprio processo que pretende formar profissionais abertos à organizações cooperativas e democráticas de trabalho, seja ele próprio aberto, cooperativo e democrático, e assim mais efetivo?

São destes questionamentos que a Roda de Saberes nasce, buscando suscitar o protagonismo e autonomia dos sujeitos, implicando na corresponsabilidade de todos os atores envolvidos.

Os temas e discussões acontecem livremente e se desdobra em diversos outros assuntos que podem levar a outros temas.

As rodas foram se configurando como um dispositivo de “comunicação para maximizar troca de conhecimentos e habilidades” (PEDUZZI; OLIVEIRA, 2009, P.177).

Ao finalizar a discussão provou-se reflexões:

  • Quais são os dispositivos de troca de saberes do seu território?
  • Quais outras dificuldades na realidade do trabalho cotidiano de cada participante na construção do saber e do fazer?
  • Quais as estratégias adotadas?
  • Quais sonhadas?

Os presentes também foram tencionados no sentido da prática democrática, transdiciplinar e cooperativa de trabalho em equipe em seus cotidianos.

Dia 11, sexta, tem mais!!!

 

GT Roda de Saberes:
Felipe Gargantini Cardarelli
Daniela Gama
Kelly Pereira
Luana Espindola
Elisa Araujo
Tennielle Aguiar
Priscila Mitie Yasutaki
Luana Silva
Kleber Soares
Carolina CA