Acolhimento com classificação de risco em obstetrícia será implantado na emergência do HRSP

13votos

classificacao_de_risco.jpg

A partir de segunda-feira (01/09/2014), o Hospital Regional São Paulo – ASSEC de Xanxerê passou a implantar o projeto Acolhimento com Classificação de Risco em Obstetrícia no setor de emergência da instituição. O projeto visa garantir atendimento qualificado através de classificação de risco às pacientes gestantes ou puérperas – quarenta primeiros dias após o parto-  de toda a região da AMAI ou de outros municípios que derem entrada na emergência do HRSP.      

Segundo a Gerente de Enfermagem e Responsável Técnica pelo projeto, Fabiana Floriani o Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia é mais uma ferramenta para apoiar o setor da emergência e maternidade do hospital no atendimento aos pacientes referentes ao departamento de obstetrícia.  “O projeto inclui o protocolo de classificação de risco permitindo um atendimento rápido e seguro de acordo com o potencial de risco da paciente, buscando evitar desfechos desfavoráveis devido à demora no atendimento e melhorando a resolutividade, planejamento para implantação do protocolo e ferramentas que serão implantadas para uso diário no setor da emergência”, destaca.

acolhimento_com_classificacao_de_risco_em_obstetricia_inicia_na_proxima_semana_no_hrsp.jpg          

Fabiana observa ainda que após dar entrada na emergência do HRSP, a gestante ou puérpera será atendida e passará por avaliação que a classificará como: prioridade máxima; muito urgente; urgente; pouco urgente e não urgente.      O projeto Acolhimento com classificação de risco em obstetrícia foi elaborado pela Gerente de Enfermagem Fabiana Floriani e pelas Coordenadoras da Enfermagem do HRSP, Maryellen de Almeida e Vanessa Picolli, através de orientações do Ministério da Saúde e faz parte do Programa Rede Cegonha – que incentiva a inovação e a excelência na atenção ao pré natal, assistência ao parto e ao pós-parto, bem como nas ações em torno do desenvolvimento da criança durante os primeiros dois anos de vida da criança –  que foi implantado no ano de 2013 no HRSP.