Repercussões do processo de reestruturação dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes de Campinas

13 votos

383249_10152716478530134_606299658_n_1.jpg

Melissa Ribeiro Teixeira, Maria Cristina Ventura Couto e Pedro Gabriel Godinho Delgado – da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria, Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas de Saúde Mental – fizeram este estudo na cidade de Campinas e nos apresentam os resultados em artigo na Scielo.

 

Este estudo descreve e analisa as mudanças realizadas na rede de Saúde Mental para Crianças e Adolescentes da cidade de Campinas, São Paulo, no período de 2006 a 2011, durante o qual foram realizadas diferentes ações para
reorientação do cuidado. Com foco nos Centros de Atenção Psicossocial, o artigo discute questões relacionadas ao acesso e aos fluxos de atendimento, permitindo identificar alguns avanços e desafios resultantes da reestruturação da rede de Saúde Mental para Crianças e Adolescentes do município. Trata-se de estudo exploratório, realizado através de coleta de informações e dados em prontuários e documentos de dois serviços de Saúde Mental para Crianças e
Adolescentes de Campinas e um documento da gestão municipal. Constatou-se que a reestruturação propiciou maior articulação com a atenção primária de saúde, avanço na organização de base territorial e diminuição relativa dos
encaminhamentos originados do setor justiça/direitos. Novos estudos são necessários para avaliar o impacto das mudanças na ampliação do acesso ao tratamento em Saúde Mental para Crianças e Adolescentes.

Veja o artigo completo em:

http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v32n4/0103-166X-estpsi-32-04-00695.pdf