MP e SESAPI discutem ações para a prevenção do suicídio

7 votos

 

“Segundo dados do Instituto SANGARI, de 2002 a 2012, o número de suicídio no Brasil aumentou 33,06%. No Piauí, o aumento foi de 85%. Teresina está em 2º lugar entre as capitais com maior taxa de suicídio do país, perdendo apenas para Florianópolis.” 

Com o intuito de viabilizar a elaboração de uma política estadual de enfrentamento ao suicídio , no dia 1º deste mês, a Secretaria de Saúde do Estado do Piaui se reuniu com o Ministério Público do Estado numa adesão  à campanha Setembro Amarelo, cujo objetivo é promover a valorização da vida e fomentar a prevenção ao suicídio. Nesse encontro, foi discutida a formação de uma equipe especializada para acompanhamento e acolhimento de pacientes com pensamentos suicidas, em âmbito estadual.

“A reunião foi coordenada pelos Promotores de Justiça Márcio Franca e Karla Daniela Carvalho, ambos com atuação junto à 12ª Promotoria de Justiça. A Secretária-Geral do Ministério Público, Cléia Fernandes, também participou. O Secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa e o Diretor do Hospital Areolino de Abreu, Ralph Webster Trajano estiveram presentes juntamente  com servidores da Gerência de Atenção à Saúde Mental (GASM/SESAPI).”

“O Promotor de Justiça Márcio Franca chamou atenção para os numerosos casos de suicídio registrados no Piauí. “O suicídio é um problema de saúde pública. É necessária a execução de um programa integrado de prevenção ao suicídio, com treinamento de equipes especializadas e integração das linhas de socorro imediato com os serviços de atendimento médico-psiquiátrico”, declarou ele.”

“O Ministério Público também defende o pronto encaminhamento de pacientes potencialmente suicidas aos Centros de Referência Psicossocial (CAPS) ou ambulatório especializado, a implantação de serviços de emergência com entrevista, o treinamento de médicos, a inclusão de amigos nos serviços de atendimento ao paciente em risco de suicídio e o envolvimento do CRAS e do CREAS, que devem promover atividades para as faixas etárias de risco.”

“Já a Promotora de Justiça Karla Daniela Carvalho lembrou da necessidade de articulação entre os serviços públicos estaduais, as organizações não governamentais e e os serviços já oferecidos a nível municipal. “As campanhas preventivas são muito importantes, bem como a definição de uma rede de encaminhamento desses pacientes, desde o acolhimento na atenção básica”, frisou. A Secretária-Geral do MP, Cléia Fernandes, que também está trabalhando a temática do Setembro Amarelo no âmbito do programa institucional de saúde e qualidade de vida no trabalho, registrou a importância da capacitação entre diversas classes de profissionais, inclusive na área de comunicação, para que o suicídio, como assunto delicado que é, seja adequadamente abordado pela mídia.”

“De acordo com Francisco Costa, a SESAPI buscará celebrar parcerias com os municípios para a implantação dos serviços voltados à questão. O secretário declarou que será desenhada uma rede no estado, com acolhimento, realização de oficinas e criação de leitos de atenção psicossocial nos hospitais de referência. “Trabalharemos na formação de grupos específicos para atenção a pacientes com pensamentos suicidas, principalmente nas cidades com grandes índices. Nas cidade de Picos e Parnaíba, por exemplo, apesar da superlotação nos hospitais regionais, empreendemos esforços para a implantação de leitos psicossociais, na rede privada”, destacou.”

Entre os encaminhamentos da reunião, estão: treinamento de equipes especializadas em suicídio, bem como a integração de todos os serviços – aplicativos de celular, linhas de telefone, emergências, ambulatórios especializados, CAPS e outros serviços comunitários; implantação de programas de atenção aos pacientes com pensamentos suicidas, com ambulatórios e hospitalização nos centros de saúde, nos CAPS e nas unidades de urgência, e com leitos psiquiátricos, em hospitais gerais ou particulares que tenham a condição clínico-administrativa de atender pacientes que tentaram suicídio; criação de equipe especializada em suicídio em cada município que possui hospital regional, com entrevistas motivacionais, telefonemas e visitas domiciliares, atendimento dos pacientes com pensamentos suicidas, prestação de orientações e atendimento a familiares dos pacientes com pensamentos suicidas, mais atendimento de familiares de pessoas que praticaram suicídio; integração das linhas de socorro imediato com os serviços de atendimento médico-psiquiátrico, com inclusão de amigos e membros solidários da família; criação de coordenadoria específica de atenção a pacientes com pensamentos suicidas; e criação de grupo condutor de atenção a pacientes com pensamentos suicidas, dentre outras medidas. Foi fixado o prazo de 30 dias para a execução de todas as providências.

Da Redação
redacao@cidadeverde.com

Texto extraído do Portal cidadeverde.com