Gastronomia na Promoção da Saúde

5 votos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A doença de Crohn me apresentou um lado muito bom dentro do universo das doenças crônicas, as novas amizades e conhecer novas histórias de superação. Os caminhos vão se cruzando e em 2016 conheci uma associação muito especial, a AAPODII – Associação dos Amigos e Portadores de Doenças Inflamatórias Intestinais, que contribui para melhoria da qualidade de vida dos pacientes do Hospital Clementino Fraga Filho da UFRJ. Desde então, tenho participado dos eventos organizados pela AAPODII que conta com a Laura como presidente, uma pessoa que me conquistou de primeira. Sabe aquela pessoa que não fica só nas palavras, vai lá corre atrás daquilo que acredita e faz? Essa é a Laura! Com determinação ela já conquistou muitos benefícios para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes do hospital. Esse projeto é mais um dos benefícios que a Laura ajudou a conquistar para esses pacientes. Tem como não admirar a Laura?

Recebi um convite super especial para conhecer o projeto Gastronomia na promoção da Saúde, um projeto de extensão criado pelo curso de Gastronomia do Instituto de Nutrição Josué de Castro em parceria com os cursos de nutrição e medicina que conta com alunos bolsistas e voluntários. Um projeto lindo de empoderamento de pacientes com doença inflamatória intestinal através da alimentação. Uma vez por mês os pacientes têm a oportunidade de conhecer receitas saudáveis e acessíveis para a melhoria da sua qualidade de vida. 
 
A participação não é só saboreando não! Olha só como tudo acontece nesse dia gastronômico:
 
Tudo acontece numa cozinha industrial, sendo assim, existem normas de segurança. Todos devem usar calça comprida, sapato fechado, touca (estão disponíveis na entrada).
 
A Gastronomia na Promoção da Saúde é um projeto de extensão exemplar, pois leva educação alimentar para os pacientes e faz parte de projetos de pesquisas, além de proporciona o contato dos alunos da Gastronomia com pacientes de doenças inflamatórias intestinais. Você consegue perceber a importância de um projeto com esse? Conscientizar gente! Muitos profissionais da saúde passam pela graduação sem conhecer as DII ou recebendo pouquíssima informação sobre essas doenças. Já pensaram nisso?
 
Os alunos da Gastronomia apresentam as receitas que serão preparadas para os pacientes, perguntam se alguém tem alguma restrição aos ingredientes e sugerem as substituições que podem ser feitas.
 
Os alunos são divididos em grupos e cada grupo tem a sua bancada preparada com todos os ingredientes já separados e pesados, assim como os utensílios para o preparo das receitas.
 
Recebem avental com a logo do projeto e touca, tudo bem gourmet. Fiquei encantada!
 
Os alunos e a Doutora Leticia acompanham tudo de perto orientando os pacientes e no final todos podem experimentar as delícias do dia.
 
Estão curiosos para saber quais foram as receitas? Hum… eu adorei!
 
  • Massa choux (massa de bomba)
  • Panqueca blini
  • Recheios doces: creme de confeiteiro de maracujá e creme de confeiteiro de cacau
  • Recheios salgados de frango, camarão com requeijão e lombo suíno com abacaxi
  • Suco de laranja, cenoura e manga
Observações sobre as receitas:
 
Sobre a massa choux: É uma massa base para éclairs (nome chique da nossa Bomba), profiteroles, churros e inclusive versões salgadas. Composta de uma mistura de água, manteiga e farinha, que é cozida e acrescida de ovos ainda morna.
 
Sobre a panqueca blini: são bolos finos e planos preparadas a partir de massa de origem russa.
 
O projeto não é sobre restrições alimentares e sim com o foco na qualidade de vida e no que fica acessível para os pacientes. Leite, trigo e ovos fazem parte dos ingredientes. O destaque fica por conta da orientação sobre consumirem menos industrializados e que é possível ter comida gostosa sem gastar muito.
 
Os ingredientes das receitas são bastante conhecidos, financeiramente acessíveis e fáceis de encontrar no supermercado e nas feiras livres. Para quem está disposto a aderir a uma alimentação mais natural, deixando de lado os produtos industrializados, esse projeto de gastronomia é perfeito. Daí o nome: Gastronomia na Promoção da Saúde.
 
Promoção da Saúde
 
Acredito que seja importante que você compreenda o significado de “Promoção da Saúde” compartilho aqui a definição da Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, no Canadá, em 1986: Promoção da saúde é o processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria da sua qualidade de vida e saúde, incluindo maior participação no controle desse processo. A definição chama atenção para o almejado protagonismo das pessoas e a necessidade de que sejam empoderadas, isto é, desenvolvam a habilidade e o poder de atuar em benefício da própria qualidade de vida, enquanto sujeitos e/ou comunidades ativas. Fonte: UIPES/ORLA – Promoção daSaúde.
 
Agora compartilho aqui, para finalizar, a definição encontrada na página do projeto:
 
“Projeto de extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) criado por docentes dos cursos de graduação em gastronomia, nutrição e medicina.
 
O projeto de extensão Gastronomia na Promoção da Saúde visa integrar os princípios da Gastronomia nas ações educativas para a promoção de práticas alimentares saudáveis, sustentáveis e prazerosas junto aos pacientes atendidos no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho/ UFRJ. 
 
São realizadas oficinas gastronômicas, no laboratório localizado no Restaurante Universitário da UFRJ, para desenvolver habilidades culinárias práticas dos pacientes.

A participação nas oficinas contribuí para maior integração social e permite que os pacientes tenham mais autonomia para criação de cardápios saudáveis e saborosos.

As receitas utilizadas são desenvolvidas por professores e alunos dos cursos de graduação em gastronomia com base nas necessidades nutricionais, culturais e socioeconômicas dos pacientes.

Desde 2014 o projeto realiza oficinas mensais para pacientes com doenças inflamatórias intestinais atendidos no Hospital Universitário.

 
O projeto tem o intuito de expandir suas atividades para outros grupos de pacientes.”
 
Contato da Dra Letícia Tavares, Coordenadora do projeto: leticiatavares@ufrj.br