Panóplia: reflexões, conhecimentos, interfaces e subjetividades nas ações promocionais e de atenção a saúde mental e coletiva.

7votos

Panóplia: reflexões, conhecimentos, interfaces e subjetividades nas ações promocionais e de atenção a saúde mental e coletiva.

 

Os capítulos que compõem o livro Panóplia: reflexões, conhecimentos, interfaces e subjetividades nas ações promocionais e de atenção à saúde mental e coletiva são resultantes de vários momentos da construção e produção do conhecimento do grupo de pesquisa: ações promocionais e de atenção a grupos humanos em saúde mental e saúde coletiva – APASMC.

A escolha dos nove capítulos escritos com base em diferentes concepções teóricas, metodológicas, epistêmicas e filosóficas foi escolhida como uma forma inaugural para refletir na cotidianidade os aspectos heterogêneos, a multiplicidade, as possibilidades e limites dos fenômenos objetos do ensino, pesquisa e assistência do profissional enfermeiro.

Quanto aos sujeitos de pesquisa utilizou-se dos docentes do ensino superior e médio de enfermagem, atuação e conhecimento do enfermeiro no contexto hospitalar, particularmente na doação de medula óssea, órgãos e tecidos e da sobrecarga geradora de sofrimento psíquico do enfermeiro, cuidados a família, especialmente a criança com câncer, a saúde do trabalhador com destaque para as profissionais do sexo e os pescadores vítimas do acidente de mergulho, além de conceituar a retenção urinária para esses sujeitos, o ato de ensinar e produzir sentido em sala de aula, no contexto psicoterápico e nas bases indexadas.

Quanto ao desenho dos estudos são do tipo: revisões integrativas, exploratório e descritivo, com delineamento transversal e abordagem quantitativa, qualitativo com enfoque na abordagem humanista, nas representações sociais e na história oral e análise de conceitos.

Quanto à coleta dos dados adotaram-se fontes secundárias bases de dados indexadoras de maior relevância, e fontes primárias, tais como: questionário, atividades grupais do tipo oficinas, entrevista semiestruturada.

Os resultados foram mantidos no tempo e espaço de sua produção, com eventuais e necessárias atualizações bibliográficas. Manter essa característica foi uma decisão autoral, em respeito aos sujeitos de pesquisa e dos processos de elaboração simbólica sobre a produção do conhecimento em saúde mental e saúde coletiva como forma histórica do acontecer em Enfermagem e na Saúde.

Todos os capítulos encerram problemáticas escritas em contextos e cenários do ensino e pesquisa, despontando a atemporalidade das temáticas abordadas como resultado de estudos desenvolvidos em regiões distintas do país, e em contextos educacionais com esses atributos, da graduação a pós-graduação latu e strictu sensu. Essa forma de organização nos remete enfatizar afirmações de SIMPSON, C.A & MENDES, F.R.P (2015) As características de um pesquisador quantitativo / qualitativo na enfermagem: Sensibilidade e humildade; Exercitar os cincos órgãos dos sentidos (gostar de música e poesia e ter uma visão de mundo “além das aparências”); Ler e escrever bastante (para alcançar a leveza proposta por Ítalo Calvino); Aprofundar sempre os conhecimentos sobre metodologia; Pesquisar bastante (pois só se aprende a fazer fazendo.)