Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) relacionada às estratégias de vacinação contra o Sarampo.

10 votos
  1.                              A Faculdade de Medicina da UNOESTE utiliza a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) como uma das estratégias para formação dos futuros profissionais de saúde. Existe uma Semana Integradora de Disciplinas, que ocorre com frequência bimestral na Instituição de Ensino Superior, para o Curso Médico. Os temas abordados na Semana Integradora procuram obedecer à Epidemiologia Nacional e Loco-Regional relacionada ao Processo Saúde-Doença e às possibilidades de intervenção na Atenção Primária, Secundária e Terciária. São construídos Guias para os Tutores, que desenvolvem os temas relacionados à proposição curricular na IES. Um dos temas propostos na Semana Integradora esteve relacionado ao Sarampo. Após abertura do “problema de papel” os estudantes, guiados pelos Facilitadores, criam questões de aprendizagem relacionadas ao tema, de acordo com os ditames da Aprendizagem Significativa, do autor David Ausubel; depois seguem para busca de informações em fontes confiáveis e referendadas. Retornam para o fechamento do caso na semana seguinte. A Equipe de proposição curricular convidou uma Enfermeira Especialista em Vacinas, ligada à Secretaria Municipal de Saúde de Álvares Machado, para ministrar uma Conferência, com estudantes do Curso Médico com foco nas estratégias para atrair as mães para vacinar seus filhos. A Facilitadora considerou que a imunização se destaca como uma intervenções em saúde pública segura, econômica e efetiva para prevenir mortes e melhorar a qualidade de vida, principalmente das populações de maior vulnerabilidade social, como por exemplo, as pessoas em situação de pobreza. A Conferencista ressaltou também que a imunização contribui para que possamos cumprir um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), propostos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), relacionado à redução da mortalidade infantil, pois crianças não vacinadas ficarão suscetíveis à maior morbimortalidade infantil. Os Coordenadores do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (PAPP) que estavam presentes, consideraram que no Brasil, o acesso à vacinação é gratuito e realizado por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI). Este Programa lança parâmetros de cobertura vacinal para as vacinas constantes no Calendário Nacional de Vacinação da Criança. Os parâmetros são de 90% de cobertura para as vacinas BCG (bacilo de Calmette-Guérin) e rotavírus humano; 95% para as vacinas hepatite B e poliomielite, tetravalente (vacina adsorvida difteria, tétano, coqueluche e Haemophilus influenzae b), meningocócica C, pneumocócica 10 valente, tríplice viral (vacina sarampo, caxumba e rubéola); e 100% para a vacina febre amarela. A Facilitadora considerou que é realizado um monitoramento da cobertura vacinal que é essencial para se verificar se esses parâmetros estão sendo alcançados. Existiu um aumento expressivo e autossustentável no número de vacinas incorporadas pelo PNI nos últimos 10 anos. Esse fato foi possível, pois a vacinação consiste em uma ação de saúde pública de excelente custo-efetividade. A Conferencista salientou que, dentre as estratégias de vacinação, torna-se necessário que as Equipes de Saúde concentrem o seu foco na vulnerabilidade de crianças com mais idade e pertencentes às classes D e E, especialmente quando novas vacinas são introduzidas, e ainda de filhos de mães que possuem baixa escolaridade. Os participantes consideraram como produtiva a sua participação na Conferência.

 

Referências:
Incompletude vacinal infantil de vacinas
novas e antigas e fatores associados: coorte
de nascimento BRISA, São Luís, Maranhão,
Nordeste do Brasil.
Disponível em:
https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n3/1678-4464-csp-34-03-e00041717.pdf&ved=2ahUKEwiCo-ai0rjeAhUFlJAKHbhKAbcQFjAAegQIABAB&usg=AOvVaw2hBvePrccFYzyU4XMJzN9U
Acesso em 03 de Novembro de 2018 às 13h 32min