Outra saúde é possível

7votos

Conforme anunciado no post de Debora Aligieri, o site Outra Saúde, dedicado ao jornalismo sobre saúde pública, faz diariamente uma compilação das notícias mais quentes do momento.

A RHS, por intermédio do grupo de editores/curadores, fará também diariamente uma publicação de notícia relevante para o SUS a partir do novo site.

SUS, 30 anos: Outras Palavras lança Outra Saúde, um site dedicado ao jornalismo sobre saúde pública

GIGANTES ATRAPALHAM FAMÍLIAS

Nas Filipinas, marcas de leite em pó ocupam hospitais, internet e televisão – e miram nas mães pobres. A reportagem do jornal The Guardian mostra como empresas, especialmente a Nestlé, dificultam o aleitamento materno e, de quebra, empobrecem ainda mais as famílias já pobres. As conclusões são de um estudo feito numa parceria  Guardian/Save the Children que analisou especificamente o caso das Filipinas, onde só 34% das mulheres conseguem fazer o aleitamento materno exclusivo durante os seis primeiros meses do bebê (essa é a recomendação da OMS).

Em troca da lealdade de médicos, enfermeiras e agentes de saúde, as marcas oferecem viagens gratuitas para conferências, refeições, ingressos para shows e cinema, fichas para jogos de azar. Essas empresas distribuem, nas maternidades, panfletos sobre nutrição infantil com cara de instruções médicas, mas recomendando marcas específicas de leite artificial. E as equipes dos hospitais recomendam as mesmas marcas em listas de ‘compras essenciais’.

Segundo a reportagem, as principais empresas de leite em pó gastam £ 36 em marketing para cada bebê nascido no mundo. Com economia e natalidade crescentes, o Leste Asiático é um alvo importante.

Veja a reportagem em:

https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2018/feb/27/formula-milk-companies-target-poor-mothers-breastfeeding