Redes Intersetoriais do Programa Saúde na Escola e a UNOESTE estimulando a parceria Academia/Serviço

8 votos

A Faculdade de Medicina da Universidade do Oeste Paulista (FAMEPP/UNOESTE) por meio do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (PAPP) insere os estudantes do Curso Médico, desde o primeiro termo, em 7 Estratégias Saúde da Família nos municípios de Presidente Prudente e Álvares Machado. Os Facilitadores utilizam a Metodologia Ativa da Problematização para estimular a produção de Planos de Ação voltados para a resolução das Necessidades de Saúde características dos Territórios adscritos às ESFs. A abordagem dos determinantes dos problemas sociais nos territórios de Saúde demanda conhecimentos e
práticas característicos das organizações que cuidam da saúde das pessoas. As ações programadas a partir da análise da epidemiologia dos territórios devem ser integradas e construídas de maneira intersetorial podendo se constituir na resposta para novas dinâmicas no plano governamental efetivando Políticas Públicas propostas pelo Estado. Os estudantes, à luz da Constituição Brasileira, buscam construir uma sociedade mais equâ-
nime, alicerçada nos preceitos de Cidadania. Dessa maneira, os Planos de Ação criados a partir de Problemas Reais existentes nos Territórios de Saúde se constituem em uma modalidade de interferência em problemas no campo das práticas sociais.
A intersetorialidade se mostra, no PAPP/FAMEPP/UNOESTE, como uma estratégia de aprendizagem dos Processsos de Trabalho em Saúde, muito oportuna para
melhor se efetivar as políticas públicas, enfrentando a exclusão social.
Os estudantes, orientados por seus respectivos facilitadores, perceberam que seria importante realizar testes de acuidade visual para escolares da rede pública de Educação. Após detectarem problemas na acuidade visual de alguns escolares, os acadêmicos do Curso Médico encaminham os pequenos usuários do SUS para atendimento especializado com a Oftalmologia.
Após a ação intersetorial os acadêmicos, guiados pelos facilitadores, refletem sobre suas ações utilizando o Arco de Maguerez (Ação/Reflexão/Nova Ação).
Os aprendizes deram conta, em uma das reflexões, de que apesar da sua polissemia, a intersetorialidade poderia ser entendida como um processo de articulação dos saberes, potencialidades e
experiências de pessoas, grupos e setores com a finalidade de construir possibilidades de intervenção compartilhadas. Entenderam também que vínculos,
corresponsabilidade e cogestão podem ser estabelecidos para a criação de objetivos comuns. Nessa construção de possibilidades, a partir da parceria entre Academia e Serviço (UNOESTE E SMS dos municípios de Presidente Prudente e Álvares Machado), espera-se que exista uma interdependência, havendo integração
e interação entre sujeitos e processos de organização. Assim, os resultados esperados serão conquistados a partir
de intervenções que devem ultrapassar as ações setoriais isoladas e já propostas, sempre entendendo o
território como seu norte e destino. Ações intersetoriais devem gerar um compartilhamento de atitudes e
recursos disponibilizados para produzir e ampliar respostas para um projeto da comunidade. Por isso, os acadêmicos organizam reuniões de Comunidade com frequência mensal. Essa cultura, criada nos territórios nos quais a UNOESTE se insere, se opõe aos processos decisórios verticalizados, comuns à estrutura governamental do Brasil. A Intersetorialidade foi considerada pelo Grupo de estudantes como produtora de ambientes saudáveis para a comunidade.
Os coordenadores da Escola Pública na qual a atividade intersetorial se desenvolveu e os escolares consideraram como positiva a ação de Promoção à Saúde desenvolvida no território da ESF.

Referências:
Rede Intersetorial e Programa Saúde na Escola. Sujeitos, percepções e práticas.
Disponível em:
https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n5/1678-4464-csp-34-05-e00104217.pdf&ved=2ahUKEwj_56ii1tHdAhVBhJAKHQTKBEgQFjACegQICBAB&usg=AOvVaw0h7cB4DufenNRzmSXuhTgy
Consulta em 21 09 2018 às 14h 49min.