Saúde da mulher, políticas de planejamento familiar, o SUS e o uso das vagas do sistema para abortos. Leem o artigo e deem suas opiniãos.

8 votos

O uso da declaração dos Direitos Humanos e o trabalho desenvolvido pelo SUS.

Diante desse tema escolhido cito os artigos 1, 2 e 3 da Declaração de 10 de dezembro 1948 publicada no site da UNICEF de livre acesso disponível.

Artigo 1

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Artigo 2

1. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania.

Artigo 3

Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

 

Pensando na saúde da mulher e na família como foco dessa dissertação cito os dados atualizados publicados no site do Governo do Brasil sobre o tema e sua relação com os artigos citados referente: direito a vida, a liberdade e a segurança. “Assegurado pela Constituição Federal e também pela Lei n° 9.263, de 1996, o planejamento familiar é um conjunto de ações que auxiliam as pessoas que pretendem ter filhos e também quem prefere adiar o crescimento da família. Além de prevenir a gravidez não planejada, as gestações de alto risco e a promoção de maior intervalo entre os partos, o planejamento familiar proporciona maior qualidade de vida ao casal, que tem somente o número de filhos que planejou”

 Sendo assim, existe política pública que beneficia a mulher e a ampara na questão do planejamento familiar. Citamos ainda o processo legal oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde – SUS.  “No Brasil, a Política Nacional de Planejamento Familiar foi criada em 2007.  Ela inclui oferta de oito métodos contraceptivos gratuitos e também a venda de anticoncepcionais a preços reduzidos na rede Farmácia Popular. Toda mulher em idade fértil (de 10 a 49 anos de idade) tem acesso aos anticoncepcionais nas Unidades Básicas de Saúde, mas em muitos casos precisa comparecer a uma consulta prévia com profissionais de saúde. A escolha da metodologia mais adequada deverá ser feita pela paciente, após entender os prós e contras de cada um dos métodos. Em 2008, o Ministério da Saúde alcançou a marca histórica de distribuir esses dispositivos em todos os municípios do território nacional. No ano seguinte, a política foi ampliada e houve maior acesso a vasectomias e laqueaduras, métodos definitivos de contracepção, bem como a preservativos e outros tipos de anticoncepcionais”. Diante de todo acesso e gratuidade dos serviços no SUS o que surpreende são os resultados de procura aos serviços. Esse é o tema nevrálgico os dados estatísticos que revelam o comportamento das mulheres e sua relação consigo mesmas diante da prevenção. Citamos ainda os dados do site do Governo do Brasil “ A Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS), feita em 2006, financiada pelo Ministério da Saúde, revelou que 46% das gravidezes não são planejadas”. Diante desse quadro o objetivo é pesquisar o motivo desse comportamento feminino e para isso criei um questionário capaz de construirmos alguns pareceres sobre a temática. A divulgação dos dados serão apresentados no link:

https://docs.google.com/forms/d/1Mn2jM_1lUsgL3xhqYaqMkrxq4yQG-6yVdIrmjeYZRLw/edit

Será apresentada as informações aqui contidas e essas duas perguntas objetivas:

  1. Diante das políticas públicas de planejamento familiar ofertadas pelo SUS o aborto é uma solução para o planejamento familiar?
  2. O SUS atende as necessidades do planejamento familiar?

Referências

Site Oficial da Unicef: https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10133.htm

Site Oficial do Governo do Brasil: http://www.brasil.gov.br/saude/2011/09/planejamento-familiar