Seminário de Humanização da Saúde: Ambiência

12votos

Trabalho realizado na Disciplina Humanização da Saúde, do Mestrado Profissional de Ensino na Saúde -Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (MPES-FAMED-UFAL).

 

Autoria: Márcia Andreia Reis Silva – HGE / UDA Divaldo Suruagy

Rosário de Fátima Alves de Albuquerque – HGE / MESM (UNCISAL)

Valéria Antônia Pereira – UNIT / Estácio-FAL

Sérgio Seiji Aragaki e Cristina Camelo de Azevedo (coordenadores da disciplina) – MPES-FAMED-UFAL.

A Ambiência na Saúde é compreendida como o espaço físico, social, profissional e de relações interpessoais que deve proporcionar uma atenção acolhedora, resolutiva e humana. A valorização da ambiência é uma das diretrizes da Política Nacional de Humanização sendo utilizada como um dispositivo para contribuir na mudança das relações de trabalho, com a organização de espaços saudáveis e acolhedores. Para conduzir essa atividade foram realizados três movimentos:

1° Movimento: modificação do ambiente, reorganizando a sala, colocando as cadeiras em roda, com aromatização e som ambiente, um lanche coletivo proporcionando um ambiente acolhedor.

 

2° Movimento: foram lançados questionamentos disparadores baseados no cap. 9 da cartilha de Ambiência – PNH iniciando a discussão sobre a influência da ambiência na saúde, tanto nos aspectos positivos quanto nos negativos, a fim de permitir reflexões sobre a necessidade das mudanças do ambiente de trabalho. Foram ressaltadas algumas falas na roda de conversa:

__ “os funcionários chegam a arrecadar recursos próprios para as despesas que garantam melhorias no ambiente de trabalho”;

__ “o fluxograma nem sempre é favorável para o atendimento e a convivência na relação de trabalho”;

__ “não adianta pintar parede nem mudar o cheiro do ambiente, sem a participação de todo grupo de trabalho, inclusive o usuário”;

__ “para que modificar o espaço físico, se a qualidade do serviço não reflita na satisfação do usuário e do trabalhador”.

No 3° Movimento apresentamos o vídeo com Mirella Pessatti, arquiteta referência em Ambiência na Saúde – MS, onde conseguimos consolidar os saberes empíricos por meio da compreensão da proposta do MS associando aos relatos do grupo em seus ambientes de trabalho. (https://youtu.be/EkpNnN4Tp2g)

Concluímos com uma apresentação de relato de experiência do HGE/AL, ilustrando imagens que apontam melhoria do ambiente em algumas áreas do hospital, principalmente na porta de entrada, sala de espera, espaço de convivência e acolhimento, melhoria essa que ressalta no nível de satisfação e recuperação do usuário, levando a uma reflexão no sentido de que muitas vezes apenas as imagens e os aspectos negativos do hospital têm destaque nas redes sociais, que devemos promover rodas de conversas e desenvolver proposta para que possamos alcançar a ambiência não apenas como uma mudança no espaço físico e sim como um dispositivo de transformação no processo de trabalho a partir de uma construção coletiva.

 

 

A experiência foi muito exitosa, conseguimos absorver do grupo suas vivências sobre a ambiência no seu espaço de trabalho e percebemos que a inquietação / desconforto existente no trabalhador da saúde em relação à ambiência é unanime já que os gestores, trabalhadores e usuários nem sempre tem a oportunidade de explorar e problematizar o processo de trabalho e os modelos de atenção.