Maria Luiza Carrilho Sardenberg

São Paulo, SP

Membro desde: 14/04/2008

476 POSTS
5790 VOTOS

pensar diferentemente sobre as drogas

  Sobre o trabalho dos profissionais do SUS com as pessoas que usam crack: a matéria, ou melhor, o artigo fala por si. Comentar é desnecessário…   http://www.revistabrasileiros.com.br/edicoes/47/textos/1591/  

Alternativas ao modelo medicalizante dos comportamentos

 Apontamentos para estabelecer parâmetros de atendimento alternativo ao modelo  medicalizante     Origem dos encaminhamentos/demandas de diagnóstico e/ou tratamento:   Várias vertentes para pensar:   de onde parte o pedido? Escola, profissionais de saúde – pediatra, psiquiatra, psicólogo, neurologista e outros -, busca própria – no caso de adolescentes, por exemplo – e família. A […]

São Paulo protagoniza uma triste realidade…

Ser criança nunca foi uma tarefa fácil. A imagem da infância difundida hoje como a vivência paradisíaca da "felicidade" encontrada no consumo de todo tipo de artefatos ou brinquedos é triste. Estender os velhos rótulos psiquiátricos dos adultos para as crianças e fazer pose de quem cuida também é triste. Velhas fórmulas de controle dos […]

“Blogeiros Progressistas” fala de saúde

A relação da cultura e cidadania com o "fazer saúde" Por Rosemar Prota apoiadoressaude.blogspot.com/ "O sertanejo é, antes de tudo, um forte" Euclides da Cunha,1902. “O homem é um ser naturalmente livre e procura cultivar essa liberdade.” Rousseau, 1755 Uma das complexidades do Brasil é a existência de grande poder econômico convivendo lado a lado […]

Olhar para a infância de outro modo é preciso!

 As cenas que assistimos ou são descritas no cotidiano da clínica com crianças hoje falam de uma atitude ímpar, um ethos da vida adulta a ser analisado com toda a atenção, para que algo se ilumine neste deserto de sentido que se tornou ser criança.
 
 Antonio é encaminhado para avaliação psicológica por recusar-se a fazer lições! Do alto de seus seis anos de idade, ameaça a professora. Os coleguinhas o imitam neste rompante de pequeno rebelde sem causa. Pais e mestres se descabelam ao temer um futuro "transtorno de oposição".
 

Fórum sobre a Medicalização da Educação e da Sociedade – segunda reunião em São Paulo

 Caros Companheiros,     Se há uma expressão que defina o grupo de trabalho em torno da questão da medicalização é a POTÊNCIA DO ENCONTRO. Encontro, termo caro `a filosofia espinosana, é o que se produz quando os corpos/subjetivações/sujeitos deixam-se contagiar por um acontecimento. E deste contágio surge um devir potente.   O Fórum reuniu-se […]

Potência da complexidade e diversidade da vida

 Queridos companheiros da luta contra a patologização da vida, Compartilhemos um manifesto que pretende defender a complexidade e diversidade de modos de sentir e viver. Muito bem escrito e fundamentado. Tomara que contagie o maior número de pessoas possível para essa boa causa.   El link para firmar y adherir al mismo es este: STOP […]

Medicalização de crianças e adolescentes em livro

     Uma capa que já diz tudo!  Ferramenta importante para quem trabalha com crianças.   Iza Sardenberg Coletivo de Editores da RHS Livro Medicalização de Crianças e Adolescentes terá evento de lançamento no dia 2 de abril, em São Paulo Será realizado, no dia 2 de abril, sábado, das 16h às 19h, na Livraria […]

Rizoma e Grupalização

                Grupos como modo de potencializar o trabalho em saúde. O que é um grupo? É difícil responder sem cair na torre de Babel dos diferentes referenciais teóricos e campos de aplicação ainda mais numerosos. Talvez funcione melhor pensarmos neles como um "dispositivo". E o que é um […]