Valorização da saúde do trabalhador: buscando outros modos possíveis de produzir saúde no HILP

7votos

A valorização do trabalho e da saúde do trabalhador são dispositivos fundamentais para a concretização dos princípios e das diretrizes propostas pela Política Nacional de Humanização nos espaços de saúde.

Produzindo novos modos de trabalhar e de viver mais saudável e prazerosos potencializamos o protagonismo dos trabalhadores (PNH, 2012).

Apostando nessas premissas, Leandro, coordenador do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT),  Nicole, supervisora do Recurso Humano e o GTH do HILP tem buscado implementar um conjunto de ações com o objetivo de melhorar as condições de trabalho, e de fortalecer a saúde do trabalhador, dentre elas rodas de conversas para problematização dos processos de trabalho, avaliação da saúde dos trabalhadores, atividades lúdicas e interativas.

No mês de junho, o Fisioterapeuta Breno, coordenador do Programa Bem-Estar do Servidor da EGEPI, aplicou um questionário no hospital para identificar as queixas de saúde dos trabalhadores, e a principal queixa apresentada é relativa a dores de coluna (45%) seguida de dores nos membros inferiores (19%). O resultado disparou a implantação de sessões de ginástica laboral para os trabalhadores no HILP.

A abertura da iniciativa aconteceu no dia 05 (quinta-feira), onde estiveram presentes os gestores e trabalhadores dos diversos setores.

As atividades serão realizadas nas terça e quinta feira de cada semana, nos próprios setores de trabalho, tendo em vista facilitar a participação dos trabalhadores.

Mensalmente haverá uma roda de conversa no auditório para escuta e troca de ideias, na perspectiva de promover uma maior interação entre o coletivo de trabalho.

A cada 6 meses será realizada uma avaliação para identificar os resultados e redirecionar as atividades implementadas, conforme as necessidades.

Se entendermos a saúde como a capacidade de criar novas normas de vida, quando o trabalho limita essa capacidade, a chance de adoecermos é maior. (PNH, 2009)