O PÚBLICO E O PRIVADO NA SAÚDE: Atendimento aos usuários

14votos

Conforme proposto em sala de aula, venho colocar minha opinião sobre o sistema de saúde tanto público quanto privado, pois ambos tem muito a melhorar. Como dinâmica proposta na disciplina de Psicologia da saúde da FISMA, descrevo alguns de meus questionamentos acerca das atividades realizadas em aula.

No filme Sicko tivemos a oportunidade de ver a opinião de usuários do sistema público e privado que contam suas experiências em que, algumas tiveram "finais felizes" e outras não.

Quando me refiro a final feliz pretendo relacionar com os casos em que o paciente consegue fazer uso do serviço e que este atenda sua necessidade.

De acordo com os vídeos divulgados no site "Psicologia dos Psicólogos", em casos de usuários de drogas muitos hospitais privados se utilizam de internação compulsória que muitas vezes não trata o sintoma, mas somente a causa.

O SUS nestes casos preve um tratamento multiprofissional e que atenda todas as necessidades do paciente. A intenção não seria a exclusão, mas sim inserir o indivíduo a sociedade, fortalecendo os laços assim como descreve o filme.

Ou seja, é a sociedade e o poder público em prol da saúde promovendo uma conscientização do atual estado do problema do sujeito e reabilitando-o.

Retomando ao filme Sicko, percebemos o quanto de dinheiro gira em torno da doença e que os planos de saúde privados em geral, cada vez mais, vem crescendo em faturamento, porém sem o devido retorno a seu cliente que por vezes não tem um bom atendimento. Então, assim como comentado nos vídeos "Drogas e cidadania" do site referido acima, hospitais privados, indústria farmacêutica em geral e unidades de atendimento privados cada vez mais enriquecem a custa das doenças que não estão tendo a devida atenção-"sem solução".

O SUS ainda tem muito a melhorar devido ao tempo de espera por atendimento, especialistas, mas em contrapartida vem se modernizando em busca de procurar melhores tratamento como podemos perceber nos casos de usuários de crack que de diferentes formas atua promovendo atendimento a saúde mental ao invés da simples internação.