Cuidando de quem cuida: criação de um grupo de cuidadores de idosos no município de Macaíba/RN.

13 votos

1. INTRODUÇÃO

A criação do grupo de cuidadores de idosos “Cuidando de quem cuida” foi o projeto de intervenção realizado ao final do Internato de Saúde Coletiva do curso de medicina da UFRN, pelos doutorandos do 9º período, na Unidade Básica de Saúde de Vilar, no município de Macaíba/RN. Tendo como base a territorialização da área adstrita da unidade e a roda de cogestão realizada com a população local, pôde se constatar que a quantidade de idosos acamados que necessitavam de cuidadores era de aproximadamente 30 pessoas. Como também, que esses cuidadores estavam sobre constante tensão relacionada aos aspectos físicos, emocionais e psicológicos de sua vida e apresentavam insegurança e falta de preparo para lidar com as atividades diárias dos pacientes (familiares) que eram responsáveis por cuidar. Diante dessa realidade, a criação do grupo tem como objetivo, a partir de reuniões mensais com equipe multidisciplinar, o estímulo, atenção e assistência para o cuidador, de modo a contribuir para seu bem estar físico e mental, para sua relação de cuidado com o paciente e para o maior vínculo da família com a equipe de saúde da unidade, criando assim um espaço de convivência, lazer e relaxamento aos participantes através de atividades variadas.

2. METODOLOGIA

O projeto de intervenção foi realizado no dia 23 de abril de 2014 na escola do bairro do Vilar, cidade de Macaíba/RN. Contou com a presença dos doutorandos do curso de medicina Fábio Fagundes, Jandi Junior e Claudionor Segundo, um educador físico, uma psicóloga e os cuidadores do bairro que puderam comparecer.
Na mesma semana da intervenção, os doutorandos junto as Agentes Comunitárias de Saúde divulgaram nas casas dos cuidadores a criação do grupo que teria sua primeira reunião no dia citado.
A proposta era em um primeiro momento acolher os cuidadores e aplicar um questionário (em anexo) precedido de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (em anexo), a fim de realizar o perfil desses cuidadores.
Seguido a isso, o educador físico daria inicio às atividades com  exercícios de alongamento de membros superiores e inferiores e exercícios de fortalecimento dos músculos dos membros  superiores e inferiores, sendo esses bem simples de modo que os cuidadores pudessem repeti-los em suas casas.
A psicóloga então daria prosseguimento com uma dinâmica de relaxamento com música de fundo e exercícios respiratórios, como dica de método de relaxamento para os cuidadores realizarem em suas casas em momentos de estresse. Dando continuidade com a dinâmica "para quem você tira o chapéu?" que consiste em chamar cuidador por cuidador para observar a imagem dentro do chapéu, onde havia um espelho e o cuidador observava a si mesmo, como método de autovalorização e aumento da autoestima, já que para cuidar de alguém devemos primeiro nos valorizar.
Finalizando o primeiro encontro, o filme do Programa de Assitência Domicilar do Hospital Universitário da USP, é exibido mostrando aos presentes como melhor cuidar dos idosos.  
O intuito é que os encontros sejam mensais, com duração variando de acordo com a atividade proposta ( oficinas, rodas de conversa, dinâmicas de relaxamento, etc.).  As atividades serão variadas e de acordo com a demanda dos participantes, buscando propiciar momentos de lazer e descontração assim como de reflexão e acolhimento das dificuldades que envolvem o papel de cuidador familiar. Os encontros serão coordenados pela equipe de ESF (Estratérgia Saúde da Família) de Vilar acompanhada por profissionais do NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), de forma rotativa buscando a participação de toda a equipe (médico, enfermeiro, dentista, educador físico, psicólogo, fisioterapeuta, nutricionista) e a integração equipe/grupo de cuidadores. Os cuidadores serão convidados e motivados a participar dos encontros pela equipe de saúde da UBS de Vilar através dos Agentes Comunitários de Saúde.

Abaixo o logo do grupo "Cuidando de quem cuida".

logo_oficial.jpg

3. RESULTADOS

Foram convidados ao todo vinte e cinco cuidadores diretamente em suas casas, tendo comparecido no dia da intervenção, um total de oito.
A reunião teve duração de 1h e 30 min na ordem já planejada.
Os dados obtidos através do questionário seguem abaixo.

Gênero:
Mulheres (100%)

Estado civil:
Divorciadas (40%), Solteiras (40%) e Casadas (20%)

Faixa etária:
20-30 (10%), 31-40 (10%), 41-50 (60%), 51-60 (10%) e > 61 (10%).

Escolaridade:
0-4 (40%), 5-8 (20%) e >8  anos(40%).

Tempo que atua como cuidador:
1-3 (10%), 4-5 (10%) e >5 anos (80%).

Em relação ao trabalho que realiza como cuidador:
Muito satisfeito (60%)
Satisfeito (30%)
Insatisfeito (10%)

Número de horas por dia dedicadas ao idoso:
1-4 (20%)
>8 (80%)

Você considera sua saúde:
Muito boa (10%)
Boa (20%)
Razoável (40%)
Péssima (30%)

Dificuldades encontradas no dia a dia:
Cansaço físico.
Estresse mental.
Sobrecarga de atividades.
Falta de paciência em alguns momentos.
Privação da vida social.

Que aprendizado o cuidado com os idosos trouxe para a vida:
Sensibilizar com o sofrimento do outro.
Tornar-se uma pessoa melhor.
Importância da família.
Tornar-se um pouco mais paciente e tolerante.

Doenças que apresenta:
Hipertensão arterial (30%)
Ansiedade/estresse (30%)
Nenhuma (40%)

Como é seu dia-a-dia:
Atividades domésticas.
Cuidado com os idosos.

O que levou a ser cuidador:
A necessidade de cuidar de um familiar que apresentava sequelas de doenças degenerativas ou crônicas.
Gostar de cuidar de idosos.

A atividade do educador físico de alongamento e fortalecimento, foi reconhecida pelos cuidadores como de ótima aplicabilidade no dia-dia deles, tendo muitos deles notado a diferença da funcionalidade dos seus músculos após a atividade.

20140423_143516.jpg

Após o educador, a atividade da psicóloga, foi muito elogiada pelos cuidadores, que reconheceram a importância de dedicar uma parte do seu dia-dia para atividades de relaxamento. Já na dinâmica do “você tira o chapéu?”, palavras como guerreira, batalhadora e dedicada, estavam presentes em seus discursos na hora de definir a si mesmo.

20140423_144357_lls.jpg

img-20140427-wa0018.jpg

img-20140427-wa0017.jpg

Por fim, o filme do PAD do Hospital Universitário da USP, deu para dar uma idéia geral de como proceder nas atividades com o idoso que recebe os cuidados. Os subtópicos abordados durante o vídeo, serão explorados com maiores detalhes nos próximos encontros. De forma a complementar as informações do vídeo, foi distribuído o “Guia de cuidadores de acamados” do INCA (em anexo) para todos os cuidadores.

img-20140427-wa0024.jpg

4. DISCUSSÃO

O aumento da expectativa de vida populacional é acompanhado por uma carência de redes de suporte formais aos idosos. A tarefa de amparar os idosos está quase exclusivamente sob a responsabilidade das famílias.  Segundo o Ministério da Saúde, 40% da população idosa necessita de auxílio para realizar pelo menos uma AIVD (Atividade Instrumentai da Vida Diária), sendo que desses, 10% necessitam de ajudar com ABVD (Atividade Básica da Vida Diária).  Nesse contexto, destacam-se “os cuidadores de idosos”, verdadeiros protagonistas anônimos nessa nova esfera do cuidado, que por muitas vezes não estarem preparados para exercerem essa função apresentam: constante tensão relacionada aos aspectos físicos, emocionais e psicológicos de sua vida e   medo de não saber como lidar com a doença, insegurança e falta de preparo do familiar/cuidador, isto é, por falta de conhecimento, fazem com que, alguma vezes, as necessidades do idosos deixam de ser atendidas. Apesar disso, nossos cuidadores estão em 60% muito satisfeito com seu trabalho e 30% satisfeito. Essa satisfação pode ter sido influenciada por 90% dos entrevistados serem cuidadores familiares.
As sobrecargas física e psíquica, devido a elevada carga horária dedicada ao idoso, mais de 8 horas como dita por 80% em nosso levantamento, a que os cuidadores de idosos estão expostos, não raro, leva à má qualidade de vida desses indivíduos, com impacto negativo na sua rotina diária. Podemos percerber isso através do nosso levantamento, que mostra que 70% considera sua saúde razoável ou péssima, além de terem referido cansaço físico e estresse mental como dificuldades do dia-dia nas questões mais abertas.  Diversos estudos investigaram fatores que melhorariam a qualidade de vida dos cuidadores, destacando-se os seguintes pontos: presença de uma rede de apoio social, boa saúde física e mental e bem-estar espiritual. Essas melhorias na vida do cuidador poderiam ser obtidas a partir do trabalho dos grupos de cuidadores de idosos, já previstos na política Nacional do Idoso, consistindo numa estratégia de ação intersetorial para proporcionar melhor qualidade de vida para os cuidadores e prevenção de maus-tratos aos idosos. Assim, essa intervenção tem um papel extremamente importante no cuidado humanizado dos idosos, a medida que capacita os cuidadores tecnicamente, mentalmente e fisicamente, ou seja, integralmente.

5. CONCLUSÃO

A criação do grupo “Cuidando de quem cuida” foi extremamente importante para o bairro de Vilar em Macaíba/RN na medida em que proporciona um espaço de convivência, lazer e relaxamento aos participantes através de atividades variadas promovendo assim o estímulo, atenção e assistência para o cuidador, de modo a contribuir para seu bem estar físico e mental, para sua relação de cuidado com o paciente e para o maior vínculo da família com a equipe de saúde da unidade, concretizando dessa forma o cuidado integral ao cuidador e ao paciente que recebe seus cuidados.

6. REFERÊNCIAS

CAMARGO, Renata Cristina Virgolin Ferreira de. Implicações na saúde mental de cuidadores de idosos: uma necessidade urgente de apoio formal. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.),  Ribeirão Preto ,  v. 6, n. 2, ago.  2010 .  

PAULA, Juliane dos Anjos de; ROQUE, Francelise Pivetta; ARAUJO, Flávio Soares de. Qualidade de vida em cuidadores de idosos portadores de demência de Alzheimer.J. bras. psiquiatr.,  Rio de Janeiro ,  v. 57, n. 4,   2008

FERREIRA, Caroline Gomes; ALEXANDRE, Tiago da Silva; LEMOS, Naira Dutra. Fatores associados à qualidade de vida de cuidadores de idosos em assistência domiciliária. Saude soc.,  São Paulo ,  v. 20, n. 2, June  2011

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALZHEIMER. Disponível em:
<http://www.abraz.com.br/>. Acesso em: 26 de abril de 2014.

BACK, Vanessa. Saúde Mental dos cuidadores de idosos portadores de doença de Alzheimer. Projeto de monografia. Criciuma, 2013.

MOURA, Suzane Magalhães. Implantar um grupo de cuidadores de idosos na localidade de Jenipapaeiro-Aquiraz/CE. Fortaleza, 2009.

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília – DF. 2008. Guia prático do cuidador .Série A. Normas e Manuais Técnicos.

NERI, Anita Liberalesso. (Org.). Cuidar de idosos no contexto familiar: questões psicológicas e sociais. São Paulo: Alinea, 2002.