LGBT: entre estigmas e preconceitos uma vida invisível nos serviços de saúde

6 votos

Título: LGBT: entre estigmas e preconceitos uma vida invisível nos serviços de saúde
Categoria: EVENTO Abrangência: Local
Ano: 2015 Período: 26/06/2015 a 26/06/2015
Unidade Proponente: DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM / CCS

Área do CNPq: Ciências da Saúde Área Principal: SAÚDE
Público Alvo Interno: Estudantes de Graduação e Pósgraduação em enfermagem – UFRN
Público Alvo
Externo: LGBT
Público Estimado
Externo: 10 pessoas
Público Estimado Interno: 20 pessoas
Fonte de Financiamento: AÇÃO AUTOFINANCIADA
Tipo do Evento: MESA REDONDA
Carga Horária: 6 horas Previsão de Nº de Vagas: 30
M UN IC ÍP IO REALIZ AÇ ÃO
Estado Município Bairro Espaço Realização Rio Grande do Norte NATAL Lagoa Nova UFRN Campus Central Departamento de Enfermagem

Resumo:
De modo geral, grupos socialmente menos privilegiados apresentam maior risco de adoecimento e de mortalidade do que os grupos mais privilegiados. As condições de saúde estão fortemente relacionadas ao padrão de desigualdades existentes na sociedade. Sexualidades, neste interim: identidades de gênero e orientações sexuais, são dimensões organizadoras de relações sociais e, portanto, produzem desigualdades. Reconhece-se que os processos discriminatórios contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) decorrem em diversas formas de agravo a saúde: dor e sofrimento psíquico, etilismo, tabagismo e outras drogas. Que o preconceito dos profissionais de saúde sobre a prática sexual e social de LGBT acarreta na desqualificação da atenção a esta população, evidenciando assim que os processos discriminatórios alcançam o próprio sistema de saúde. Dessa forma, as políticas em saúde construídas no âmbito do SUS devem reconhecer a existência dessas desigualdades e produzir respostas eficientes, com vistas à promoção da igualdade e equidade de gênero e sexual. A abertura de espaço para discussão da assistência de enfermeiros e demais profissionais da saúde à comunidade de LGBT e uma abordagem dialogada e de mútua cooperação em prol do reconhecimento social destes sujeitos se faz
necessária, emergindoos do silenciamento imposto e da invisibilidade provocada, identificando-se as fragilidades e proporcionando a oportunidade de se (re)pensar a prática profissional.

Programação:
14h – 14:30h: Apresentação e performance de abertura (Colaboração do Departamento de Artes da UFRN);

14:30 – 15:15h: Mesa Redonda: Saúde da população LGBT: necessidades emergentes. Composta por Luara Santos (ATRANSPARENCIA/RN), Carlos Eduardo Santos (IBRAT/RN) e Glauber Weder (PGENF/UFRN).

15:15 – 16:30h: Discussão.

16:30h: Encerramento

Objetivos Gerais:
Debater as relações de gênero e sexualidade no processo saúde doença, com vistas a:
Apresentar as identidades travesti e transexual; Compreender as desigualdades de gênero como determinante da saúde; Discutir as necessidades em saúde de travestis e transexuais. 

Resultados EsperadosEspera-se que ao final, os participantes presentes na mesa redonda possam: reconhecer as identidades travesti e transexual como legítimas da identidade humana; identificar fatores sociais, físicos e psicológicos que interfiram no processo saúde-doença de travestis e transexuais; compreender as necessidades objetivas e subjetivas em saúde que permeiam a construção e desconstrução do gênero em travestis e transexuais.

Coordenação: FRANCISCO ARNOLDO NUNES DE MIRANDA Email:
farnoldo@gmail.com Telefone:
MEMBROS DA EQUIP E

  1. FRANCISCA PATRÍCIA BARRETO DE CARVALHO
  2. ANA MICHELE DE FARIAS CABRAL 
  3. DEYLA MOURA RAMOS ISOLDI D
  4. MÔNICA GISELE COSTA PINHEIRO 
  5. LANNUZYA VERÍSSIMO E OLIVEIRA 
  6. SÂMARA SIRDÊNIA DUARTE DE ROSÁRIO BELMIRO 
  7. SIMONE REGINA DE CARVALHO 
  8. IZABELLA BEZERRA DE LIMA 
  9. GLAUBER WEDER DOS SANTOS SILVA DISCENTE MINISTRANTE 
  10. CLELIA ALBINO SIMPSON DOCENTE COLABORADOR(A) 
  11. MILVA MARIA FIGUEIREDO DE MARTINO DOCENTE COLABORADOR(A) 
  12. FRANCISCO ARNOLDO NUNES DE MIRANDA DOCENTE COORDENADOR(A)