Dissertação de mestrado profissional em saúde coletiva: Intoxicações por agrotóxicos no Estado do Tocantins: 2010-2014.

6votos

O Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos e com vários trabalhadores expostos a estes produtos químicos. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS), tem aumentado nos últimos anos, o número de notificações de intoxicações exógenas, incluindo os agrotóxicos. Nesse cenário, o Estado de Tocantins também tem colaborado para o crescimento das notificações por intoxicações dos agentes tóxicos constantes na ficha de investigação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação-Sinan (medicamento, agrotóxicos, raticida, produto veterinário, produto de uso domiciliar, cosmético/higiene pessoal, produto químico de uso industrial, metal, drogas de abuso, planta tóxica alimento e bebida). Apesar desse aumento, os números não representarem a realidade das intoxicações, inclusive para agrotóxicos de uso agrícola, objeto desse trabalho. 

Na literatura, em geral os dados oficiais limitam-se às notificações de intoxicações agudas nas unidades hospitalares. Assim, há fortes indícios de que o consumo de agrotóxico agrícola no Tocantins tem impactos significativos no ambiente e na saúde da população, principalmente nos trabalhadores rurais e seus familiares, um grande e desafiador problema para o Brasil e para o SUS.

As Palavras-chave dessa pesquisa são: agrotóxico, agrotóxico agrícola, intoxicação, Sinan,  e Tocantins.

Nesse sentido, socializo aqui, minha dissertação de mestrado profissional,  intitulada “Intoxicações por agrotóxicos no Estado do Tocantins: 2010 a 2014”, como resultado  da dissertação de mestrado profissional em Saúde Coletiva, pela Universidade Federal da Bahia, defendida no ano de 2016.

 O documento  completo está disponível no Reposítório institucional da UFBA no seguinte endereço: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21641