A VISITA DOMICILIAR SIMULADA PARA PESSOAS QUE CONVIVEM COM O HIV E O SEU POTENCIAL PARA ABORDAGEM TRANSVERSAL DA ÉTICA DO ESTUDANTE DO CURSO MÉDICO.

8votos

                      A Faculdade de Medicina da UNOESTE insere o estudante do Curso Médico em Estratégias Saúde da Família (ESFs) desde o primeiro termo. Os acadêmicos passam a fazer parte das Equipes Interdisciplinares das ESFs e criam planos de ação a partir dos desafios encontrados nos Territórios de Saúde. Antes de realizarem visitas domiciliares os aprendizes participam de simulações realísticas em um cenário construído para a sua capacitação. Atores recebem scripts com suas falas e indagações, de acordo com objetivos educacionais previamente construídos pelos facilitadores. A Visita a uma pessoa que convive com o vírus HIV será um exemplo de Visita Domiciliar Simulada (VDS) que trataremos a seguir. O objetivo do presente estudo consiste na visita domiciliar simulada como estratégia pedagógica na formação dos estudantes do curso de medicina a partir de uma perspectiva da integração ensino com a realidade de trabalho.  A Ética Profissional não se restringe a guardar informações, ou manter sigilo e anonimato dos usuários SUS por parte dos profissionais de saúde. A legislação pune comentários e citações dos casos de pacientes em tratamento, que precisa de maiores cuidados, como acontece aos pacientes com HIV/AIDS. A pessoa que convive com o vírus HIV, de acordo com a Declaração dos seus Direitos Fundamentais, conforme aprovação no Encontro Nacional de ONGs que Trabalham com Aids (ENONG), em Porto Alegre (RS), em seu inciso VIII sugere que ninguém pode fazer referência à doença de alguém, passada ou futura, ou ao resultado de seus testes para o HIV/AIDS, sem a autorização da pessoa envolvida. A pessoa que convive com HIV tem direito à privacidade, que deve ser assegurada pelos serviços médico assistenciais. O profissional da saúde deve respeitar e reconhecer o (s) direito (s) do usuário do SUS que convive com HIV, mantendo com ele um vínculo de respeito e confiança. Sendo assim as visitas domiciliares simuladas realizadas pelos alunos do curso de medicina fortalecem as novas competências do profissional de saúde, ampliando sua visão para fenômenos relacionados ao campo da saúde. As visitas simuladas foram realizadas no laboratório de simulação, sendo que um dos alunos participa ativamente da cena atuando como um médico, e encenando situações bem próximas da realidade, contamos também com a contribuição de atores, que tem o propósito de criar situações complicadas e levar o aluno a agir de forma ética dentro do contexto abordado, pacientes com HIV. A ética, abordada de maneira transversal na VDS, é valorizada pelo facilitador, como atitude louvável por parte do aprendiz. Como uma capacidade básica, ou virtude e prática cotidiana, que deve condizer com sua busca em atender e trabalhar da melhor forma possível. Valores como paciência, caráter, discrição e eficiência, além de conhecimentos a respeito dos procedimentos que irá realizar. A ética na área da saúde pode ser encarada como uma maneira de regular o controle das práticas dos profissionais que atuam nesta área.

 

Autores: Regiane Soares Santana, Bruna Lidiane Da Silva, Talita Cristina Marques Franco Silva, Alex Wander Nenatarvis, Marcel Farias dos Santos.

 

Referências:
A Ética na área da saúde: paradigmas ou necessidade ?
Disponível em:
https://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&rct=j&url=https://proftiagoalmeidavr.jusbrasil.com.br/artigos/392756959/a-etica-na-area-da-saude-paradigmas-ou-necessidade/amp&ved=2ahUKEwiQnciUp7jZAhWLFpAKHfP8DzcQFjAAegQICBAB&usg=AOvVaw2vIauhpakm9crhVz1UiinR&cf=1
Consulta em 21 02 2018 às 22h 5 min.