Canal do estudante PAPP/UNOESTE: O estudante de Medicina como parceiro na Aprendizagem Significativa, alicerçando a Reconfiguração da Profissionalidade Docente Universitária.

8votos

O objetivo do Facilitador do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (PAPP) é fazer com que todos os estudantes do Curso Médico, inseridos na realidade de 07 Estratégias Saúde da Família (ESFs) dos municípios de Presidente Prudente e Álvares Machado, adquiram conhecimentos, habilidades e atitudes relacionadas a uma Clínica Ampliada.

Uma grande preocupação dos docentes do PAPP é informar ao estudante a respeito da Epidemiologia de cada território de Saúde e o porquê de se construir Planos de Ação a partir da Metodologia Ativa da Problematização para melhorar a realidade biopsicossocial da comunidade adscrita ao território das ESFs. Isso é parte do contrato pedagógico ou didático, aquele acordo que deve ser estabelecido logo no início de cada semestre letivo entre estudantes e professor com normas de conduta e de relacionamento como aprendizes nas Equipes de Saúde e na Comunidade onde se inserem os futuros Profissionais Médicos.

O estudante deve saber sempre onde vai estar e o que deve fazer para avançar em seus conhecimentos, considerando melhorias para o território de Saúde no qual se insere como membro da Equipe interdisciplinar da ESF. Dessa maneira, fica mais fácil o estudante se envolver na aprendizagem. E dá para fazer isso desde o primeiro termo do Curso Médico.

Quando o facilitador discute com os estudantes os objetivos de uma atividade, ou  unidade de ensino, dá meios para que eles acompanhem o seu próprio desenvolvimento. O Canal do Estudante PAPP é uma oportunidade para estudantes, que representam cada grupo de aprendizes, dos termos 1 ao 5, opinarem a respeito de sua própria formação e a respeito da organização das formas de ensino e aprendizagem nas ESFs.

A auto-avaliação é um dos métodos empregados no Canal do Estudante PAPP/UNOESTE, baseado nos Conceitos de Avaliação Formativa.  Se o professor quer que os dicentes se avaliem, deve explicitar por que e para que fazer isso.

As conclusões da auto-avaliação podem servir tanto para estimular ações individuais como para redefinir os rumos de um projeto para o grupo como um todo. Esse processo pode ir além da análise do domínio de conhecimentos dos estudantes, ampliando-se para demonstração de habilidades e atitudes. O estudante deve mostrar como está a relação entre os colegas e com o professor nas ESFs.

A melhor maneira de colocá-la em prática, é dizer ao grupo em que aspecto cada um deve se auto-avaliar. Uma lista de pontos trabalhados no semestre é apresentada aos estudantes para que eles digam como se desenvolveram em relação a cada item.

Durante o processo de auto-avaliação, é importante que todos possam expor sua análise, discutir com o professor e os colegas, relatar suas limitações e aquilo que não conseguiram aprender. Os olhares dos estudantes muitas vezes são divergentes.

Além de ser mais um instrumento para melhorar o trabalho docente, a auto-avaliação é uma maneira de promover a autonomia dos aprendizes. Para que isso realmente aconteça, o processo necessita ser democrático. O dicente deve dizer sem medo de ser punido o que aprendeu e os aspectos que requerem melhorias para ele próprio e para o seu grupo. Se ele percebe que não há punição nem exclusão, mas um processo de melhoria, vai pedir para se avaliar, para avaliar o Grupo de estudantes, a equipe na qual se insere na ESF e os seus facilitadores.

Os participantes avaliaram como positiva a sua participação no Canal do Estudante PAPP/UNOESTE.

Referências:

Avaliação: Da Excelência à Regulação das Aprendizagens entre Duas Lógicas, Philippe Perrenoud, 183 págs., Ed. Artmed.

Avaliação Educacional, Heraldo Marelim Vianna, 193 págs., Ed. Ibrasa.

Avaliação Desmistificada, Charles Hadji, 136 págs., Ed. Artmed.

Avaliação Mediadora, Jussara Hoffmann, 197 págs., Ed. Mediação.

Avaliação: Mito & Desafio, Jussara Hoffmann.

Avaliar para Promover, Jussara Hoffmann, 217 págs., Ed. Mediação.

Erro e Fracasso na Escola, Julio Groppa Aquino, 153 págs., Ed. Summus.

Responsável pelo texto: Dr. Alex Wander Nenartavis