CAPS III Dê-Lírios comemora 09 anos entrando em greve!

7votos

Os servidores do Centro de Atenção Psicossocial III Dê-Lírios (Caps) entram em greve a partir de sexta-feira (15/9), às 7 horas. A decisão, votada hoje (13/9) em assembleia, foi tomada diante da intransigência do governo em manter a ampliação da jornada de trabalho sem reajuste de salário. Atualmente, a carga horária semanal no local varia entre 30 e 42 horas, de acordo com a função desempenhada. Para o Sinsej, o aumento de carga horária neste local é uma experiência para alterar a jornada de mais setores.

O Caps III atua com equipes multidisciplinares, 24 horas por dias. O atendimento humanizado procura evitar a internação na ala psiquiátrica do Hospital Regional. Os servidores são expostos a transtornos psicológicos severos. “É um trabalho com alto grau de complexidade, responsabilidade e risco, em um ambiente de tensão psicológica elevada e perigo de agressão”, explica o presidente do Sinsej, Ulrich Beathalter.

Contudo, o governo não demonstra preocupação com estes servidores e com a população que necessita do serviço. De acordo com a secretária de Saúde, Francieli Schultz, em reunião hoje pela manhã, quem não cumprir 44 horas semanais será punido com a perda de uma gratificação recebida pelos trabalhadores do local. A imposição vale até mesmo para assistentes sociais e terapeutas ocupacionais, que por determinação de lei federal não podem atuar mais de 30 horas por semana.

A gratificação utilizada como chantagem e justificativa para a ampliação do período de trabalho era paga de forma precária há anos e sua regulamentação foi conquistada em 2014, depois da mobilização destes funcionários com o apoio do sindicato naquele ano. Ela compensa os trabalhadores pela natureza específica e complexa da atividade desenvolvida.

Os servidores alertam que a alteração da jornada também vai prejudicar o atendimento. Atualmente, as escalas são organizadas de forma a permitir a troca de informação entre os turnos. Com a proposta do governo, não será mais possível fazer este acompanhamento do quadro.

GOVERNO CONFIRMA ATAQUES A TODA CATEGORIA
Hoje pela manhã (13/9), o Sinsej participou de reunião com as secretárias de Gestão de Pessoas, Rosane Bonessi, e de Saúde, Francieli Schultz. Além da reivindicação do Caps III, foi solicitado ao governo que forneça equipamentos de proteção individual e uniformes em setores como obras e cozinhas da Prefeitura. Também a reposição imediata dos profissionais faltantes nas unidades; suspensão e restituição dos descontos arbitrários e ilegais promovidos nas folhas de pagamento dos servidores, decorrentes da aplicação da normativa 001/2017; manutenção do pagamento integral do adicional de insalubridade dos coveiros; revogação da portaria que suspendeu os direitos estatutários de licença-prêmio, venda de um terço de férias e abono natalino; fim do assédio moral e da perseguição política em toda a rede, com a regulamentação da lotação e transferência dos servidores; garantia do recesso de fim de ano – inclusive no Ambulatório e CCA do Hospital São José, onde a Prefeitura anunciou o corte deste direito; pagamento do abono para quem trabalhar no recesso devido à natureza de sua função; pagamento imediato do rateio do Pmaq a todas as equipes contratualizadas, seguindo os critérios estabelecidos no exercício anterior; entre outras questões.

Todos os pedidos foram categoricamente negados pelas secretárias. Na sexta (15), acontece reunião com o prefeito Udo Döhler. A categoria permanece em estado de greve e reúne-se em assembleia no dia 21 de setembro, às 19 horas, no Sinsej.

Fonte: http://www.sinsej.org.br/2017/09/servidores-caps-iii-entram-em-greve-na-sexta-feira/

 

“Em 15/09 o CAPS III completa 9 anos de existência e na minha opinião é dar tiro no pé entrar sozinho numa greve, pois os pacientes serão encaminhados para outros pontos da rede que não aderiram á paralisação e ninguém será severamente prejudicado, uma vez que a secretária de saúde e este prefeito pouco estão se lixando para os trabalhadores ou usuários da saúde mental.

 Uma equipe que entra sozinha em greve mostra apenas o quanto não sabe planejar e vai morrer no cansaço e prejudicar um pequeno grupo de usuários que já são tratados como mortos pela sociedade!”