I SEMINARIO SAÚDE INDIGENA : ‘’ PERSPECTIVAS e ARTICULAÇOES INTERINSTITUCIONAIS ”

9votos

Os povos indígenas vêm experimentando mudanças no estilo de vida que tem repercutido na emergência das doenças crônicas não transmissíveis, a destacar: dislipidemias, diabetes melito, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, neoplasias, doenças psiquiátricas e alcoolismo. A procura por serviços de saúde especializados tende a aumentar com a crescente mudança no perfil epidemiológico desses povos.

Nos últimos anos surgiram varias reivindicações por diretos específicos oriundas de  organizações indígenas juntos ao minsterios Publicos Federal . Destaca –se a reivindicaçoao da Associação Indigenas Itacoatiara de Piripiri, o ressurgimento de grupos étincos indígenas nos 36 munipios que possuir povo indígenas.

Foi justamente com objetivo de fortalecer a luta dos povos indígenas do Piaui na construção de uma nova historia através da Carta dos Povos Indígenas Kariri e Tabajara do Piauí, a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí. – SESAPI , constituiu  a  portaria 249 /2016, criando uma comissão técnica para elaborar um proejto de pesquisa, titulado O  PIAUI TEM INDIO SIM, trabalhando 03 (três)eixos:Diagnóstico Situacional,Levantamento  Epidemologico , Qualificação do Profissional do SUS.

Considerando a relevância dos princípios descritos anteriormente, a proposta desse projeto foi a  realização do I seminário em saúde indígena para possibilitar maior divulgação da pesquisa e o embasamento da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, e a 5º Conferecia  Nacional de Saude Indigena, abrir espaço para discussão e elabora de estratégia de enfrentamento dos pontos abordaos e assim ,construir uma proposta (carta ) de implantação desta politica nos 36 municipios do estado do Piaui.