Diálogos com Nikolas e Diana Rose

7votos

Salve povo da RHS!

Na próxima segunda-feira a tarde teremos um momento de debater futuras possibilidades de liberdade e construção da saúde mental a partir da leitura de Nikolas e Diana Rose, ativistas e/ou pesquisadores na conformação do sistema de Saúde Mental no Reino Unido do King´s College de Londres com olhar crítico sobre a forma como a biomedicina e os cuidados em psiquiatria vem sendo desenvolvidos:

“O futuro da Psiquiatria e da Saúde Mental”
Data: 27/11 – 14h – Sala de Eventos na RHS ( http://redehumanizasus. net/sala-de-eventos/)

Nikolas Rose nos anos 80 e 90 produziu um conjunto de artigos e livros que abordaram de forma inovadora os vínculos entre o poder político, o papel dos especialistas e o a constituição do sujeito (do “self”). Através desta produção Rose nos mostrou, com paciente acuidade, como novas formas de subjetividade estavam sendo fabricadas, como novos conhecimentos sobre o eu (self) circulavam e a sobre a importância ético política que estavam em jogo quando diferentes discursos e práticas buscavam moldar nossas condutas e produzir determinada subjetividade. Este pano de fundo teórico-conceitual constitui a base na qual Nikolas buscará debater “O futuro da psiquiatria e da Saúde Mental” em parceria com a Profª Diana Rose, que vem desenvolvendo seus trabalhos junto ao King’s College de Londres em torno da participação dos usuários

Já na quarta-feira o foco estará na relação entre as ciências da vida e as ciências biomédicas, onde Nikolas Rose buscará correlacionar estes achados a vida dos indivíduos e coletivos nas grandes cidades.

“Urban Brain e a cidade neurosocial”

Data: 29/11 – 9h – Sala de Eventos na RHS ( http://redehumanizasus. net/sala-de-eventos/)

Nesta palestra, Nikolas Rose se propõe a apresentar e debater argumentos e achados de investigação recente na qual o pesquisador vem procurando discutir o papel da biotecnologia, em distintas áreas (medicina, psiquiatria, neurociências, indústria farmacêutica, psicofarmacologia, bioeconomia e outras), na conformação daquilo que somos hoje e da sociedade em que vivemos. Realiza, de passagem, uma instigante discussão sobre a relação entre as Ciências Sociais e as Ciências Biológicos e a necessidade de que as humanidades, perante os novos desenvolvimentos biotecnológicos, logrem atualizar seu arcabouço teórico-conceitual e que se supere, no processo, a recíproca desconfiança entre estes importantes campos de saberes e de práticas. Veja mais clicando no link: https://urbanbrainlab.com/