Desmonte da Saúde Indígena no MS

10 votos

 

Olá querides da RHS, muitas mãos e corações indignados assinam o texto abaixo.

 

NOTA DE REPÚDIO

 

Dourados-MS, 27 de abril de 2021.

 

“(…) a gente se acostuma. Mas não devia.”*

A gente se acostuma a ver gente sem compromisso com a vida coletiva, sem compromisso com o SUS e com o País… A gente se acostuma a ver gente que não respeita os povos tradicionais até na Saúde indígena… A gente se acostuma com a falta de condições de trabalho das equipes, frágeis vínculos empregatícios, cotidiano racista e violento… A gente se acostuma a esperar pela demarcação de terras, ver barracos de lona na beira da estrada, atropelamentos e despejos… A gente se acostuma a fazer vaquinha para comprar comida, máscara e sabão em plena pandemia de codiv-19… A gente se acostuma com a fome, falta de água potável nas aldeias, adoecimentos e mortes evitáveis das e dos Kaiowá, Guarani e Terena.

“(…) a gente se acostuma. Mas não devia.”

 

É com indignação que nós, do Mato Grosso do Sul, repudiamos o que está ocorrendo na Saúde Indígena por aqui. Recebemos a notícia da demissão de Zelik Trajber, pediatra, com 20 anos de atuação e compromisso com a vida dos e das indígenas Kaiowá, Guarani e Terena do sul do Mato Grosso Sul. Trabalhador do Polo Base de Dourados, o maior Polo em número de indígenas atendidos do Brasil, Zelik foi um dos primeiros recrutados para auxiliar no árduo trabalho de reduzir as altas taxas de mortalidade infantil em Dourados e região, no início dos anos 2000. Adotado pela comunidade, recebeu como homenagem o seu nome em uma das Unidades Básicas de Saúde Indígena da aldeia Bororó, na Reserva Indígena de Dourados, maior reserva indígena em contingente populacional por hectare do Brasil. São quase 18 mil pessoas vivendo em menos de 3600 hectares. Zelik era contratado pela Missão Evangélica Caiuá, foi demitido injustamente pelo DSEI MS no último dia 23 de abril.

Foi também com a mesma indignação que acompanhamos as demissões injustificáveis, desde o final do ano passado, da enfermeira Indianara, indígena Kaiowá, coordenadora técnica do Polo Base de Dourados e mestranda da USP; da enfermeira Liliane, responsável técnica da DIASI/DSEI MS, com 17 anos de experiência na Saúde Indígena; da Psicóloga Paula, do Polo Base de Amambai, especialista em Saúde Indígena pelo Programa de Residência em Saúde Indígena do HU-UFGD; e outros tantos trabalhadores e trabalhadoras indígenas e não indígenas do DSEI MS, comprometidos com a saúde da comunidade.

Não bastasse todo este espetáculo de arbitrariedades, a coordenação do DSEI MS tem desconsiderado o posicionamento do Conselho Distrital de Saúde Indígena do MS (CONDISI MS) que repudiou, em Ofício enviado à SESAI com cópia para o Ministério Público Federal em 27 de janeiro de 2021, estas demissões e outras tantas decisões autocráticas, ignorando a participação e controle social dentro da política indígena/indigenista.

Registramos a nossa preocupação com o cenário atual, com ausência de informações sobre a Codiv e sobre o andamento da campanha de vacinação, além do silenciamento imposto aos trabalhadores e trabalhadoras da Saúde Indígena. E por isso perguntamos: Quem ganha com o desmonte da Saúde Indígena no Mato Grosso do Sul?

 

  * “Eu sei, mas não devia”, de Marina Colasanti, crônica de 1972.