Juntos nas Diferenças no 5º Congresso Brasileiro de Saúde Mental

11 votos

Chegamos na reta final da realização de um grande sonho, o 5º Congresso Brasileiro de Saúde Mental. Tivemos que superar obstáculos e lutar ferrenhaente para manter este grandioso evento. Enfrentamos um contexto de crise instalada que prejudicou orçamentos, dificultou apoios, diminuiu radicalmente recursos. No período de planejamento do Congresso as instituições governamentais, geralmente nossas parceiras, estiveram ou paralisadas ou em um bizarro movimento de trocas quase diárias de ministros, secretários, diretores e staff. Não sabíamos a maior parte do tempo, nem mesmo quem seriam nossos interlocutores. Destes pontos de vista, tinha tudo para dar errado.

Mas o grupo que tomou em suas mãos a construção deste Congresso foi aguerrido, dedicado, comprometido, e graças a seu empenho, estamos diante de um dos mais importantes eventos da saúde dos últimos anos. Um Congresso que vem a público para declarar sua absoluta determinação de defender o bem estar coletivo, no âmbito da saúde, no território brasileiro. Vamos discutir temas importantes, trocar ideias e informações, confraternizarmos, tomar conhecimento de novas publicações, com a intenção precípua de contribuir para um país mais justo, mais saudável, mais democrático, mais equitativo. Para o respeito ao inalienável direito à saúde e a sua provisão pelo Estado. Em defesa das reformas sanitária e psiquiátrica.

 

 

Os percalços do caminho deixaram marcas. Até quatro dias antes do Congresso ainda não havíamos fechado o programa. E a certeza do local de abertura ainda não existe. Tivemos que fechar as inscrições por não podermos contar com um local que abrigasse o número de pessoas que as buscavam. Nossos congressistas, palestrantes, expositores, apoiadores e prestadores de serviços se mostraram não só solidários e compreensivos, mas também que entendem seus papéis como cidadãos vivendo um momento de comoção nacional. E também por isso entendemos a enorme responsabilidade deste Congresso. Ele não se limita a um encontro para trocas acadêmicas ou de experiências de serviços ou a um encontro entre os diversos atores sociais da saúde mental. É um evento cidadão, um acontecimento importante na agenda histórica da saúde no Brasil em 2016.

 

 

 

 

Precisamos manter este espírito durante todo o Congresso e após sua realização. Não podemos esmorecer frente às inúmeras tentativas de desmotivar-nos, pelas dificuldades que nos são impostas cotidianamente. Vamos à gloriosa Cidade de São Paulo para exercer nosso papel histórico e para vivenciarmos a alegria de um encontro afetivo, produtivo e promissor. Juntos nas diferenças, manteremos vivos nossos sonhos e fortaleceremos nossa capacidade de lutar, em um grande processo de mobilização social.

A Comissão Organizadora agradece a [email protected] pela solidariedade, pela parceria e pela compreensão.