Déficit de Atenção e Hiperatividade, o que pode dizer a psicanálise?

3votos

 

 

 

O texto é grande, textão na gíria das redes sociais, e sem a voraz “atualidade” das produções supostamente científicas que se reproduzem aceleradamente no contemporâneo. Em compensação, tem a maior consistência em suas proposições e uma acurácia crítica como poucos. Trata-se de uma conferência proferida em 2003 por Alfredo Jerusalinski na Fundación para el Estúdio de los Problemas de la Infância, Centro Dra. Lydia Coriat, Buenos Aires.

Trago como contribuição para esta importante conversa iniciada no post do Anderson Silveira pois é bastante elucidativo da grande polêmica em torno do assunto, com a análise de como são produzidos os momentos da construção de diagnósticos, desde as pesquisas iniciais até a “consagração” de algo que não se pode mais descolar dos corpos e das almas dos sujeitos. 

http://www.redehumanizasus.net/96522-tdah-na-vida-adulta

Ainda precisamos conversar muito sobre estas novas categorias diagnósticas em psiquiatria. Tarefa cada vez mais saudável para a constituição de saúde no lugar de doença.

 

http://www.appoa.com.br/noticias/diagnostico_de_deficit_de_atencao_e_hiperatividade_o_que_pode_dizer_a_psicanalise/231#.WYS0CVJIQ_c.facebook