Me disseram que esse escrito daria um post. [Será???]

18 votos

POSTAREI EXPERIMENTALMENTE:

Nesses dias de ‘faxina da alma’ tenho lido o livro Caos.

Talvez muito do que trata o autor Hakim Bey esteja mexendo com a poética do meu existir… (Ricardo, você é um Terrorista poético por indicar esse livro!)
Não sei onde pousarei após tantos vôos. Sinto-me um ‘albatroz’ que abriga camundongos curiosos entre suas longas asas.  Risos!!!

Sinto-me um complexo interdimensional que se desloca nas praias virtuais… Uma andarilha que aglutina-se a [email protected] [email protected] pelos caminhos do pensamento… do sentimento… da energia.


Aproveito o ensejo para esboçar uma pergunta:

– Em que medida a cumplicidade sem medida do mundo virtual aconteceria se fossemos conviver cotidianamente?

Assim pergunto porque tenho imaginado muitas conexões com pessoas próximas (do meu círculo de amigos antigos e amigos recentes) , que considero transbordantes em potencial, mas se revelam verdadeiras ‘portas de aroeira’ (duras e resistentes) na convivência cotidiana, mesmo havendo laços de bem querer. Digo isso pensando no que está acontecendo, particularmente, com uma grande amiga que em tempos passados tinhamos cumplicidade em abundância e hoje trocamos apenas mensagens socialmente formais.(snifff!!!)

Concordo com a constatação de que na contemporaneidade há uma tendência à exacerbação do medo do comunal e incentivo ao isolacionismo egoico. O vazio causado pela ausência da convivialidade das cadeiras nas calçadas, talvez, esteja sendo preenchido pelas conversas virtuais. Isso é uma ‘suposição’ que procuro compreender em várias instâncias.

Desconfio que a riqueza dos diálogos ‘[email protected]’ em nosso grupo virtual seja produto de ‘permissões’ individuais , potencializadas pelo respeito grupal. De certa maneira compomos um grupo apoiador, principalmente no âmbito da afetividade solidária. Quando algum de nós fica ‘bisonho’, ‘sorumbático’, ou entra em crise existencial , os demais adensam o espaço de apoio. Há uma mobilização de intenções, de criatividade, de gestos que transbordam para outros recursos (telefone, skype,msn,cartas, pequenos gestos ‘mimosos’ e encontros presenciais). Isso difere dos laços de família, talvez, devido a inexistência das trocas simbólicas do parentesco. (e tem coisa mais complicada do que a trajetória parental de alguém?).
Podemos, sem perder nossa autenticidade, vestir avatares de filhos, irmãos, pais, sem sermos filho, irmão ou pai de nenhum de nós. Podemos ser o que escolhemos ser, sem amarras. Nossa comunicação flui horizontalmente. Não há hierarquia, não há mais velho ou mais novo, mais antigo e mais recente. Somos tudo e nada, com uma infinidade de matizes entre o preto e o branco.

Somos cadências, compassos, acordes, notas musicais compondo muitas sinfonias

.

Vou parar por aqui, pois a vontade é deixar jorrar sem estancar a hemorragia…
Meu censurador racional recomenda freio!!! Mas ainda estou voandooooooooooooooooooo…
Se vocês notarem um movimento estranho no céu, lembrem-se: Pode ser Rejane em seus passeios no espaço entre um e outro pensamento. Re.j.e.