Acadêmicos médicos entendendo a articulação ensino-serviço e Vigilância em saúde na UNOESTE

13 votos

A vigilância epidemiológica é um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes da saúde individual ou coletiva, com a finalidade de se recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos.
Estudantes Médicos do Programa de Aproximação Progressiva à Prática, na Universidade do Oeste Paulista (PAPP/FAMEPP/UNOESTE) são inseridos, desde o termo 1, da Graduação, como membros de oito equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF), nos municípios de Presidente Prudente e Álvares Machado, atuando em uma área adscrita e desenvolvendo ações de saúde voltadas às famílias e ao seu ambiente.
Os Facilitadores do PAPP/FAMEPP/UNOESTE, no campus de Presidente Prudente, utilizam a Metodologia Ativa da Problematização para estimular a criação de Planos de Ação, nas Unidades de Saúde, com foco nos aspectos preventivos, curativos e de reabilitação, articulados com outros setores, que contribuam para a melhoria das condições de saúde das comunidades ligadas às ESFs.
Os Facilitadores estimulam que a atenção dos estudantes esteja centrada nas famílias, considerando o ambiente físico e social, o que permite aos futuros profissionais de saúde, comportando-se como membros das equipes interprofissionais, uma compreensão ampliada do processo saúde/doença e das necessidades de intervenção para além das práticas curativas.
Os acadêmicos do Curso Médico, na UNOESTE, no campus de Presidente Prudente, são estimulados a utilizar os conceitos relacionados às Necessidades de Saúde, do autor “Cecílio”, com foco na “Ampliação da Clínica”, substituindo o “Modelo Biomédico” pelo “Biopsicossocial.”  Quando os estudantes participam das Visitas Domiciliares, eles observam: Se os usuários do SUS têm boas condições de vida, considerando os “fatores ambientais externos que determinam o processo saúde-doença;” Se usuários têm acesso, isso é, possibilidade de “poder consumir toda tecnologia de saúde capaz de melhorar e prolongar a vida;” Se existem vínculos efetivos entre cada usuário e equipe ou profissional, isto é, “estabelecimento de uma relação contínua no tempo, pessoal e intransferível, calorosa: encontro de subjetividades;” Se existem graus crescentes de autonomia, isto é “possibilidade de reconstrução, pelos sujeitos, dos sentidos de sua vida e esta resinificação teria peso efetivo no seu modo de viver, incluindo aí a luta pela satisfação de suas necessidades, da forma mais ampliada possível”.
Um dos Planos de Ação, desenvolvido pelos acadêmicos médicos, esteve voltado à “Vigilância em Saúde”. Foi realizada uma busca ativa de faltosos de vacinas, em todas as ESFs ligadas ao PAPP/FAMEPP/UNOESTE.
A Universidade do Oeste Paulista aposta em mudanças curriculares, implementadas desde a publicação, pelo MEC, das Diretrizes Curriculares Nacionais, no ano de 2014, buscando transformar as práticas profissionais e a formação de profissionais de saúde, com foco no modelo de vigilância em saúde.
Após a execução do Plano de Ação, a Facilitadora do PAPP utilizou o Arco de Maguerez para estimular reflexão na ação. Estudantes consideraram que os Princípios da Política Nacional de Humanização (PNH): “Protagonismo do Usuário SUS” e “Transversalidade”, foram aplicados na Ação, que envolveu a criação de ambientes saudáveis para os moradores dos territórios de Saúde ligados às ESFs.
Os participantes avaliaram positivamente a realização do Plano de Ação, com foco na Vigilância em Saúde e na Política Nacional de Promoção à Saúde.

Referências:

Cecílio LCO, Lima MHJ. Necessidades de saúde das pessoas como eixo: a integração e a humanização do atendimento na rede básica. In: Linhares AL. Saúde e humanização: a experiência de Chapecó. São Paulo (SP): Hucitec; 2000. p. 159-82.