Curso Saúde Mental e Atenção Psicossocial

10 votos

Estamos realizando um minicurso de extensão universitária intitulado “Saúde Mental e Atenção Psicossocial: aspectos históricos e práticas de cuidado”, de 11/05 a 13/07/2022, com carga horária total de 24h.

Contamos com estudantes de Medicina, Enfermagem, Psicologia, Direito e Terapia Ocupacional, que têm conhecido e debatido sobre a história da atenção na saúde mental, com destaque para a Reforma Psiquiátrica e a Luta Antimanicomial, alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável “Educação de Qualidade” e “Saúde e Bem-estar”.

Objetivos Gerais:

  • Apresentar e discutir a respeito da atenção à saúde mental da antiguidade até a atualidade, com destaque para a humanização da saúde, a Reforma Psiquiátrica e a Contra Reforma Psiquiátrica.
  • Compartilhar conhecimentos a respeito da Clínica Ampliada, Projeto Terapêutico Singular e Matriciamento.
  • Compartilhar experiências do trabalho desenvolvido na área, em dispositivos substitutivos existentes em Maceió-AL, considerando a humanização da saúde e os direitos das pessoas usuárias da saúde mental.
  • Estimular a busca de novos conhecimentos a respeito do campo da Atenção Psicossocial, alinhados à humanização das práticas de saúde e direitos na área de saúde mental.
  • Despertar e/ou fortalecer o interesse no desenvolvimento de ações práticas, incluindo pesquisas, junto à população usuária de serviços de saúde mental.

Temos conversado sobre a existência dos hospitais psiquiátricos e das comunidades terapêuticas e de como elas violaram e violam direitos. Compartilhamos conhecimentos, reflexões e aprendizados a respeito dos dispositivos substitutivos aos manicômios, com destaque para aqueles existentes no contexto local, problematizando sobre as forças que coproduzem a inexistência ou existência frágil desses dispositivos. Também temos debatido a respeito do proibicionismo e da Política de Redução de Danos e de algumas consequências da adoção de uma ou outra dessas políticas na vida das pessoas, famílias e sociedade.  Trataremos, em breve, sobre medicalização na área de Saúde Mental e de práticas desmedicalizantes.

Todos esses temas presentes em nossas conversas tem colaborado para uma formação antimanicomial, com a possibilidade de termos profissionais que ajam para a ampliação da Clínica; com mudança das relações de saber-poder, para inclusão e cogestão de cuidados entre todas as pessoas presentes no processo de produção de saúde. As propostas de ação junto às pessoas usuárias, familiares e que trabalham na área da saúde mental serão formuladas, dialogadas, negociadas e executadas – esperamos – a partir do segundo semestre desse ano.

Pela defesa da humanização da saúde e do cuidado em liberdade!