Tag » Poesia

Espetáculo Midiático

O circo, o espetáculo moralista, o sacrifício do bode expiatório,  as grandes convulsões da história, servem as inconfessáveis necessidades de silenciar o tic tac cósmico…   Estamos, todos, indo No curso biológico  Comum a todos os corpos   O suicídio de Getúlio A renúncia de Jânio O golpe contra Jango A morte de Tancredo A […]

Não faço amigos

  Faço amigos, não como quem forma um partido político, com seu estatuto e normas a serem seguidas e punições para os que não as seguem. Não faço amigos para criar uma força que me apoie e confirme quem eu sou. Não puno os que me contrariam com banimento ou linchamento moral.   Faço amigos […]

PASSOS DE DANÇA: À NOVA RHS

                            Escrevi no face e por sugestão da Patrícia Silva veio parar aqui como, pelo que ela disse, um poema para a nova RHS:   Passos Descompassos Compassos, Sei que passo Acreditando na vida. Para quem dança comigo A valsa do encontro, […]

indo em frente…

Vagaba só, sem mais, sorria, só ia… Miguel Maia 23/10/2015 Fui ali E o ali não havia, Nem o havia nem o fui Realmente existiam; De sorte que eu só saía. Mas de onde, para aonde, Eu realmente ia? Não ia, eu existia. Sendo ali Naquele não sendo, Nada era, nada consistia, Mas alguém ali […]

Em tempo de crise… Contos da Lua Vaga – Beto Guedes (1981).

Contos de Lua Vaga – Beto Guedes   Esperança viva Que o sangue amansa Vem lá do espaço aberto E faz do nosso braço Um abrigo Que possa guardar A vitória do sentimento claro Vencendo todo medo Mãos dadas pela rua Num destino de luz e amor Vem agora Quase não há mais tempo Vem […]

La Muerte da Morte

A Grande Família A Princesa que sempre foi chegou chegando e anunciando. "Tudo pode ser, se quiser será. O sonho sempre vem pra quem sonhar". A família festejou tornando real fantasias e sonhos. Ofereceu alegria, colorido, dança e irmandade. Recebeu doçura, esperança, novidade e amor. A mistura ferveu um caldo incrivelmente saboroso. Poção que trouxe […]

NÓS: VENTOS DE VIDA NA REDE DE NÓS.

VENTOS DA VIDA Nada é eterno, Nem tudo terno, Mas há movimentos… Memórias, horas, Glórias e escórias Atravessando Pensamentos, Sentimentos… Cada ser que vai É mascara que cai Do já feito, Cada ser que vem Kabuki do além De um novo feito. Decerto, passamos, A vida também passa, Mas perpétuos no tempo Também ficamos Em […]

Escancarrancarado

  O que há de tão familiar nessa estranha  vulgaridade dos olhos em cujo espelho vive a xamânica sombra do segredo de um rosto: eco espesso do mais espesso grito de uma voz sem garganta?    

MORTE DE UM POETA (quadra funda)

Por Ray Lima   Quando morre um poeta o homem morre junto, perde substância e criação, de seu encanto a vida  abdica.   Quando morre um poeta o mundo fica mal, reduz-se ao pragmatismo do poder incontido do ser violento, avarento, banal.                           […]